Boston marca uma semana do ataque à maratona com minuto de silêncio

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Às 14h50 do horário local, cidade parou suas atividades por um minuto em homenagem às vítimas das explosões; suspeito sobrevivente segue internado e sem poder se comunicar

Sete dias depois do ataque à Maratona de Boston, a cidade marcou a traumática semana com um silêncio triste e um retorno ao seu agitado dia a dia. O governador de Massachusetts, Deval Patrick, pediu aos residentes para fazer um minuto de silêncio às 14h50 (15h50 em Brasília), o horário em que a primeira das duas bombas explodiu perto da linha de chegada da corrida. Sinos tocam por toda a cidade e todo o Estado depois do minuto de silêncio pelas vítimas.

Ao iG: Suspeito de ataque em Boston era sociável, diz colega de faculdade

Leia mais: Suspeito preso por atentado em Boston continua internado em estado grave

Saiba também: EUA investigam se suspeitos de ataque tiveram ajuda de mais pessoas

AP
Estudante do MIT Hajar Boughoula, da Tunísia, escreve mensagem no chão com giz perto de memorial improvisado para vítimas de ataque em Boston

Tamerlan: Mãe diz que suspeito de ataques que foi morto estava sob vigilância do FBI

Acusação: Suspeito por ataque em Boston é indiciado em corte civil

Muitos moradores de Boston retornaram aos seus locais de trabalho e escolas pela primeira vez desde que a dramática semana culminou em um fim ainda mais dramático. Na sexta, autoridades fizeram um pedido sem precedentes para que residentes ficassem em casa durante a caça pelo suspeito Dzhokhar Tsarnaev, 19 anos. Ele foi preso naquela noite após ter sido encontrado em um barco de uma casa no subúrbio de Watertown. Seu irmão mais velho Tamerlan havia sido morto durante uma tentativa de fuga.

"É surreal", disse Barbara Alton, enquanto caminhava com seu cachorro ao longo da Rua Newburry. "Mas sinto que as coisas estão começando a voltar ao normal."

Ataque em Boston: O que se sabe até agora dos irmãos Tsarnaev

Noite de sexta-feira: EUA prendem suspeito de ataque em Boston

Em outro sinal de progresso, autoridades da cidade afirmaram que estão dando início ao processo de reabertura ao público das seis quadras em torno do local das explosões, que deixaram três mortos e feriram mais que 180.

Dzhokhar continua hospitalizado e sem poder falar, com ferimentos na cabeça, garganta, pernas e mão. Nesta segunda, ele foi indiciado e seu processo correrá em uma corte civil. Se condenado, ele pode ser sentenciado à pena de morte. Espera-se que ele também seja indiciado em um caso separado pela morte de um policial do MIT (Massachusetts Institute of Technology), crime que desatou a caçada por ele e seu irmão, Tamerlan, que foi morto durante uma perseguição policial.

Leia mais: Sem querer, maratonista em Boston fotografou suspeito no dia do ataque

AP
Minuto de silêncio é feito em homenagem às vítimas do ataque à Maratona de Boston

Ataque em Boston: Veja cronologia dos principais acontecimentos

Um funeral privado ocorreu nesta segunda para Krystle Campbell, gerente de restaurante de 29 anos, morta nas explosões. Uma missa também será realizada à noite na Universidade de Boston em homenagem à estudante chinesa de graduação Lu Lingzi, 23 anos.

No domingo, o comissário da polícia da cidade afirmou que os dois suspeitos possuíam um grande esconderijo de armas e que estariam, provavelmente, planejando outros ataques. Depois que os dois irmãos trocaram tiros com a polícia na madrugada de sexta, autoridades encontraram muitas bombas caseiras no local.

"Temos razão para acreditar, baseado na evidência encontrada na cena - as explosões, os artefatos não detonados e o poder de fogo que eles tinham - que eles atacariam outros indivíduos. Estou convicto disso até esse momento", disse Ed Davis ao canal CBS.

Vítimas do ataque em Boston:
Menino de 8 anos morto em ataque em Boston 'era cheio de vida e amava correr'
Polícia identifica mulher de 29 anos como segunda vítima de ataque em Boston
Estudante chinesa é identificada como terceira vítima de ataque em Boston

Dzhokhar e Tamerlan são da etnia chechena e vieram do Cáucaso russo. A razão para o ataque continua desconhecida.

O senador Dan Coats, de Indiana, membro do Comitê de Inteligência do Senado, disse que o estado da garganta do irmão sobrevivente levanta dúvidas sobre quando ele será capaz de falar novamente. "(O ferimento) não significa que ele não pode se comunicar, mas agora eu creio que ele está em uma condição na qual não podemos obter qualquer informação."

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre o ataque em Boston

No cerco ao barco em que Dzhokhar estava escondido houve disparos de tiros, mas os investigadores não determinaram qual o objetivo do tiroteio.

Em entrevista a Associated Press, os pais de Tamerlan insistiram no domingo que ele foi para o Daguestão e para a Chechênia no ano passado para visitar os parentes e não tinha nenhuma relação com militantes que operam nesse violento território russo. Seu pai disse que ele dormia a maior parte do tempo.

Veja imagens da caça ao suspeito dos ataques em Boston:

Policial sorri e outro faz sinal de positivo após prisão de suspeito por ataque em Boston. Foto: APImagens cedidas pela CBS mostram momento em que Dzhokhar Tsarnaev sai do barco. Foto: Reprodução/BBCMulheres comemoram depois de prisão de suspeito por ataque em Boston. Foto: APCom rosto abatido, presidente dos EUA, Barack Obama, faz pronunciamento após prisão de suspeito que estava foragido em Boston. Foto: APPolícia observa enquanto ambulância deixa rua Franklin no fim da caçada por Dzhokhar Tsarnaev, suspeito de ataque em Boston. Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra Dzhokhar Tsarnaev, suspeito por ataque em Maratona de Boston, em ambulância depois de ser capturado em barco. Foto: APPolicial monta guarda em local de busca de suspeito por ataque a Maratona de Boston
. Foto: APPoliciais buscam suspeito por ataque a Maratona de Boston em  Watertown, Massachusetts. Foto: APSuspeito de ataque foi cercado no quintal de uma casa na Rua Franklin, em Watertown, e se escondeu dentro de um barco. Foto: Reprodução/Google MapsPoliciais são vistos durante cerco a suspeito por ataque em Boston. Foto: APMoradores de Watertown acompanham cerco da polícia à distância. Foto: APEquipe da Swat marcha em bairro enquanto fazem buscas por suspeito de ataque em Boston em Watertown, Massachusetts. Foto: APPoliciais da SWAT vasculham casas em Watertown, em Massachusetts, em busca de suspeito de atentato em Boston. Foto: ReutersMulher observa pela janela movimentação de policiais em busca de suspeitos no subúrbio de Watertown. Foto: ReutersMoradores de Watertown acompanham da janela ação de policiais. Foto: APPolícia caça segundo suspeito de ataque na Maratona de Boston, na última segunda-feira. Foto: ReutersPolicial toma posição em caçada a suspeito de atentato . Foto: ReutersRuas foram interditadas, escolas fechadas e sistema de transporte público suspenso nesta sexta-feira. Foto: ReutersTécnicos em bombas inspecionam ruas em Watertown. Foto: ReutersPoliciais caçam segundo suspeito em Watertown, Massachusetts. Foto: APPoliciais param carros em busca de suspeito de atentados. Foto: APFuncionário fecha porta de estação de trem após recomendação da polícia. Foto: APPolicial corre com a arma na mão em busca de suspeito em Watertown. Foto: AP

Um advogado da mulher de Tamerlan Tsarnaev afirmou que autoridades federais pediram para falar com ela, e que ele está discutindo com eles como proceder. Amato DeLuca afirmou que Katherine Russell Tsarnaev não suspeitava do marido, e não havia razões para que ela suspeitasse dele. Ele afirmou que ela trabalha muito, sete dias por semana, como cuidadora. Enquanto ela estava no trabalho, seu marido cuidava da filha deles.

Irmãos: Suspeitos do ataque em Boston são da região do Cáucaso russo

Nenhum dos dois irmãos possuía permissão para portar armas, segundo o comissário de polícia de Cambridge Robert Haas.

Com AP

Leia tudo sobre: ataque em bostonbostoneuatsarnaevcáucasochechênia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas