Mãe diz que suspeito de ataques que foi morto estava sob vigilância do FBI

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

"Eles sabiam o que o meu filho estava fazendo, sabiam o que ele acessava na Internet", disse a mãe do suspeito que foi morto na manhã de sexta-feira após troca de tiros em Boston

Reuters

Um dos dois chechenos suspeitos pelos ataques a bomba na maratona de Boston estava sob vigilância do FBI há pelo menos três anos, disse a mãe de um deles. Zubeidat Tsarnaeva contou à emissora de televisão Russia Today, por telefone, em gravação obtida pela Reuters, que acreditava na inocência de seus filhos e que tudo era uma armação.

Fim da caçada: EUA prendem segundo suspeito de ataque em Boston
Ataque em Boston: Veja cronologia dos principais acontecimentos

Policial sorri e outro faz sinal de positivo após prisão de suspeito por ataque em Boston. Foto: APImagens cedidas pela CBS mostram momento em que Dzhokhar Tsarnaev sai do barco. Foto: Reprodução/BBCMulheres comemoram depois de prisão de suspeito por ataque em Boston. Foto: APCom rosto abatido, presidente dos EUA, Barack Obama, faz pronunciamento após prisão de suspeito que estava foragido em Boston. Foto: APPolícia observa enquanto ambulância deixa rua Franklin no fim da caçada por Dzhokhar Tsarnaev, suspeito de ataque em Boston. Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra Dzhokhar Tsarnaev, suspeito por ataque em Maratona de Boston, em ambulância depois de ser capturado em barco. Foto: APPolicial monta guarda em local de busca de suspeito por ataque a Maratona de Boston
. Foto: APPoliciais buscam suspeito por ataque a Maratona de Boston em  Watertown, Massachusetts. Foto: APSuspeito de ataque foi cercado no quintal de uma casa na Rua Franklin, em Watertown, e se escondeu dentro de um barco. Foto: Reprodução/Google MapsPoliciais são vistos durante cerco a suspeito por ataque em Boston. Foto: APMoradores de Watertown acompanham cerco da polícia à distância. Foto: APEquipe da Swat marcha em bairro enquanto fazem buscas por suspeito de ataque em Boston em Watertown, Massachusetts. Foto: APPoliciais da SWAT vasculham casas em Watertown, em Massachusetts, em busca de suspeito de atentato em Boston. Foto: ReutersMulher observa pela janela movimentação de policiais em busca de suspeitos no subúrbio de Watertown. Foto: ReutersMoradores de Watertown acompanham da janela ação de policiais. Foto: APPolícia caça segundo suspeito de ataque na Maratona de Boston, na última segunda-feira. Foto: ReutersPolicial toma posição em caçada a suspeito de atentato . Foto: ReutersRuas foram interditadas, escolas fechadas e sistema de transporte público suspenso nesta sexta-feira. Foto: ReutersTécnicos em bombas inspecionam ruas em Watertown. Foto: ReutersPoliciais caçam segundo suspeito em Watertown, Massachusetts. Foto: APPoliciais param carros em busca de suspeito de atentados. Foto: APFuncionário fecha porta de estação de trem após recomendação da polícia. Foto: APPolicial corre com a arma na mão em busca de suspeito em Watertown. Foto: AP

Tamerlan Tsarnaev, 26, foi morto em tiroteio com a polícia. Seu irmão de 19 anos, Dzhokhar, acabou preso depois de uma caçada que durou um dia.

"Ele (Tamerlan), foi controlado pelo FBI por três a cinco anos", afirmou a mãe do acusado, falando em inglês e usando a tradução de uma palavra que em russo significa monitorado.

AP
Tamerlan Tsarnaev sorri após ganhar um troféu por vencer competição de boxe em Lowell, Massachusetts

"Eles sabiam o que o meu filho estava fazendo, sabiam o que ele acessava na Internet", disse a mãe, no que a Russia Today descreveu como uma ligação de Makhachkala, a cidade onde ela vive, na região do Daguestão.

Mídia: Suspeitos do ataque em Boston são da região do Cáucaso russo

"É realmente algo difícil de se ouvir. E, sendo uma mãe, o que posso dizer é que tenho certeza. Tenho, assim, 100 por cento de certeza de isso é uma armação", afirmou.

Autoridades do governo norte-americano disseram que os irmãos não estavam sob vigilância como possíveis militantes. Mas o FBI afirmou em comunicado na sexta-feira que, em 2011, entrevistou Tamerlan a pedido de um governo estrangeiro, o qual não identificou.

A agência disse que o caso foi encerrado porque as entrevistas com Tamerlan e membros da família "não encontraram qualquer atividade terrorista, doméstica ou estrangeira".

Saiba mais sobre os ataque a Boston


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas