Suspeitos do ataque em Boston são da região do Cáucaso russo, diz mídia

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Dzhokhar Tsarnaev, que está foragido, ganhou bolsa de US$ 2,5 mil para fazer faculdade; Tamerlan Tsarnaev, morto em troca de tiros, tinha passagem na polícia por agredir namorada

Tamerlan Tsarnaev praticava artes marciais e boxe, e aspirava lutar na equipe olímpica dos EUA. Dzhokhar Tsarnaev fazia parte da equipe de luta greco-romana de uma escola prestigiada e ganhou uma bolsa de estudos de sua cidade para pagar a universidade. Vizinhos relembram os irmãos da etnia chechena, que viviam em uma rua tranquila em Cambridge, Massachusetts, andando de bicicleta e skate.

Saiba mais: Cáucaso russo é terreno fértil para o terrorismo

Veja também: Leia todas as notícias sobre o ataque em Boston

AP
Tamerlan Tsarnaev (esq.) e Dzhokhar Tsarnaev (dir.) são os suspeitos do ataque à Maratona de Boston

Foragido: Polícia caça suspeito de ataque e ordena que moradores fiquem em casa

Tensão: 'Suspeito número 1' de ataque em Boston é morto

Os dois irmãos - um agora morto e um vivo e foragido - foram apontados como suspeitos do ataque de Boston, que deixou três mortos e quase 180 feridos na segunda-feira. Horas depois de as imagens de dois homens com bonés de beisebol terem sido divulgadas, um retrato de formatura de um dos suspeitos também veio à tona.

Os irmãos, que vieram de uma região violenta, o Cáucaso russo, viviam juntos e estavam no país há ao menos dez anos, segundo informou Ruslan Tsarni, um tio dos rapazes.

Ataque em Boston: Veja cronologia dos principais acontecimentos

Acredita-se que Tamerlan tinha 26 anos quando foi morto durante a madrugada em uma troca de tiros com a polícia.  Ele era o suspeito que usava um boné preto e calças cáqui nas imagens distribuídas pelo FBI na tarde de quinta. De acordo com um site sobre crimes, ele foi preso uma vez por agredir a namorada.

Autoridades do governo informaram que Tamerlan viajou para a Rússia no ano passado e só retornou aos EUA seis meses depois. "Não tenho nenhum amigo americano. Não os entendo", teria dito a uma revista estudantil da Universidade de Boston publicada em 2010. Ele identifica a si mesmo como um muçulmano e afirma que não bebe e não fuma: "Deus diz não ao álcool."

Ao iG: Brasileiros relatam tensão em meio à caçada de suspeito de ataque em Boston

Ele esperava lutar pela equipe olímpica dos EUA e se naturalizou americano. Tamerlan disse que estudava Engenharia na Faculdade da Comunidade de Bunker Hill.

Dzhokhar, 19 anos, que está foragido, estudou na prestigiada Cambridhe Rindge & Latin School, onde fazia parte da equipe de luta greco-romana. Em maio de 2011, seu último ano no ensino médio, ganhou uma bolsa de estudos no valor de US$ 2,5 mil da cidade para pagar sua faculdade. A bolsa de estudos foi celebrada com uma recepção na prefeitura. 

“Ele estudou no Cambridge Rindge & Latin School, a única escola de ensino médio pública de Cambridge e o mesmo colégio que a minha filha estuda”, disse ao iG o brasileiro Yuri Ramos. “A minha filha não o conhece, mas amigos que estudaram com o rapaz estão abismados com as notícias, pois afirmam que ele era muito inteligente e amigável."

Dhzokhar estuda na Universidade de Massachusetts em Dartmouth, segundo informaram autoridades da instituição nesta sexta enquanto o campus era esvaziado em meio às buscas da polícia. A Universidade não disse qual curso ele fazia.

Anzor Tsarnaev: Pai de suspeitos de ataque em Boston defende inocência de filhos

O pai dos suspeitos, Anzor Tsarnaev, afirmou à Associated Press que seu filho caçula era um estudante de Medicina, que estava no segundo ano. "Meu filho é um verdadeiro anjo", afirmou por telefone da cidade russa de Makhachkala. "Ele é um menino tão inteligente. Esperávamos que ele fosse passar as férias aqui."

Veja galeria com fotos dos suspeitos:

Tamerlan Tsameav (esq) luta contra Lamar Fenner de Chicago em campeonato de boxe (4/5/2009). Foto: APFoto sem data fornecida pela rede social vkontakte mostra Dzhokhar Tsarnaev. Foto: APTamerlan Tsarnaev aceita o troféu por ter vencido campeonato de boxe de 2010 das mãos de Joseph Downes. Foto: APDzhokhar Tsarnaev (esq.) e o sobrinho da radialista Robin Young (dir.) posam para foto em formatura (foto de arquivo). Foto: APTamerlan Tsarnaev (5º de pé, da esq. para dir.)  é fotografado ao lado de sua equipe de boxe (02/2010). Foto: AP

E acrescentou: "Foi armado, foi armado!; eles mataram meu filho mais velho Tamerlan." Ele finalizou o telefonema nervoso, dizendo: "Me deixem em paz, meu filho foi morto."

Em panela de pressão: Bomba de ataque em Boston pretendia mutilar vítimas

Questionado sobre o que poderia ter feito com que seus sobrinhos realizassem o ataque, o tio Ruslan Tsarni afirmou: "Sendo perdedores, tendo ódio daqueles capazes de se resolver. Essas são as únicas razões que posso imaginar. Qualquer outra coisa, qualquer outra coisa a ver com religião, com o Islã, é uma fraude. É falso."

Na página de Dzhokhar no site de relacionamentos Vkontakte, ele se descreve como um falante de checheno, inglês e russo. Sua visão de mundo é descrita como "islâmica" e afirma que seus objetivos pessoais são "carreira e dinheiro".

Na sexta, aqueles que conheciam Dzhokhar estavam chocados. Robin Young, apresentadora de um programa de rádio pública em Boston, postou uma foto de seu sobrinho ao lado de Dzhokhar. Na imagem, os dois estão abraçados durante a formatura. "Foto de partir o coração", escreveu.

Dor: Em foto icônica do ataque em Boston, um pai reconhece seu filho

Tim Kelleher, técnico de luta greco-romana em uma escola de Boston que competiu contra a equipe de Dzhokhar, afirmou que o jovem era um bom lutador que nunca tinha expressado qualquer opinião política. "Ele era uma criança durona, mas quieta", disse Kelleher.

Deana Beaulieu, estudante da Faculdade da Comunidade de Bunker Hill de 20 anos, que vive a dois quarteirões de distância dos suspeitos, disse que ia para a escola com Dzhokhar. Ela disse que não o viu mais depois da formatura. 

"Ele era apenas uma criança quieta", disse Beaulieu sobre Dzhokhar. Ela não conseguia lembrar-se de qualquer ocasião em que ele tenha expressado suas opiniões políticas. "Não entendo o que aconteceu."

Dzhokhar apareceu no vídeo divulgado por autoridades identificado como suspeito "número 2", andando pela calçada atrás de seu irmão, sem ser notado pelos espectadores da maratona.

Vítimas:
Menino de 8 anos morto em ataque em Boston 'era cheio de vida e amava correr'
Polícia identifica mulher de 29 anos como segunda vítima de ataque em Boston
Estudante chinesa é identificada como terceira vítima de ataque em Boston

Antes de se mudar para o Daguestão, a família Tsarnaev morava no Quirguistão, uma antiga república soviética na Ásia Central. Leila Alieva, que estudava com Tamerlan na cidade de Tokmok, lembra de uma família educada. "Tamerlan era do mesmo ano que eu, mas estudávamos em classes diferentes", disse Alieva. "Ele era um menino muito positivo, muito bom aluno, um lutador de boxe."

AP
Ruslan Tsarni, tio dos suspeitos de ter realizado o ataque na Maratona de Boston, concede entrevista do lado de fora de sua casa em Maryland

Ela lembrava de Dzokhar como um pequeno garoto e disse que os dois tinham duas irmãs. Ela descreveu a família como "muito educada, de classe média". Eles tinham parentes nos EUA e partiram, segundo ela. "Não acredito que estavam envolvidos nas explosões, porque Tamerlan era um cara muito positivo, e eles não eram islâmicos radicais", disse. "Eles eram muçulmanos, mas tinham um estilo de vida secular."

"Eu gosto dos EUA", disse Tamerlan ao jornal The Sun of Lowell, de Massachusetts. "América tem muitos empregos. Isso é uma coisa que não há na Rússia. Você tem a chance de fazer dinheiro aqui se tiver vontade de trabalhar."

O jornal citou o técnico de Tamerlan, Gene McCarthu, dizendo: "Ele tem muito coração. Essa é a chave."

*Com AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas