Suspeito de mandar carta com veneno para Obama é preso, diz agência

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Correspondência tem relação com envelope enviado a um senador. Ambas continham a mensagem: 'Ver um erro e não expô-lo é tornar-se cúmplice silencioso de sua continuação'

Um homem, suspeito de enviar carta com o veneno fatal ricina para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi preso na noite desta quarta-feira (17) no Estado do Mississipi, de acordo com a agência Reuters.  

Seu nome seria Paul Kevin Curtis e ele teria sido preso em casa, em Corinth. Anteriormente, o FBI disse que não havia indícios de ligação entre esse incidente e o atentado de segunda-feira (15) que matou três pessoas e feriu outras 176 junto à linha de chegada da Maratona de Boston.

Tensão: Testes preliminares apontam carta com 'substância suspeita' enviada a Obama

O que é? : Ameaça bioterrorista, veneno ricina fez poucas vítimas

AP
O presidente dos EUA, Barack Obama, deixa sala após pronunciamento na Casa Branca sobre ataque em Boston

Alémd disso, mais cedo, a polícia norte-americana afirmou que também interceptou uma outra carta com a mesma substância endereçada a um senador americano. As duas correspondências foram enviadas perto de Memphis, Tennessee, com data de 8 de abril. 

Em um boletim de inteligência obtido pela Associated Press, o FBI diz que as duas correspondência dizem: "Ver um erro e não expô-lo é tornar-se um cúmplice silencioso de sua continuação." Ambas cartas estão assinadas: "Sou KC e aprovo essa mensagem."

Os pacotes para o senador republicano Roger Wicker e para Obama foram interceptadas em instalações exteriores do correio do Capitólio (sede do Congresso americano) e da Casa Branca.

Ataques em Boston:
Segunda: Explosões na Maratona de Boston deixam ao menos três mortos nos EUA
Pistas: Investigadores encontram tampa de panela usada em bomba de Boston
Objetivo: Em panela de pressão, bomba de ataque em Boston pretendia mutilar vítimas 

A descoberta das duas correspondência acontece em meio ao choque do país com o ataque à Maratona de Boston , que deixou três mortos e quase 180 feridos na segunda. Ainda não há evidências de conexão entre os incidentes.

A carta ao Senado, endereçada ao senador republicano Roger Wicker, do Mississippi, foi interceptada no prédio do correio localizado no condado de Prince George, perto de Washington, segundo o senador Dick Durbin, de Illinois, membro da liderança democrata no Senado.

A ricina é uma substância altamente tóxica derivada da mamona. Pouco menos de 500 microgramas - quantidade com o tamanho da cabeça de um prego - pode matar um adulto. Não há nenhum teste específico pela exposição e nenhum antídoto para uma eventual contaminação.

Vítimas:
Lu Lingzi: Estudante chinesa é identificada como terceira vítima de ataque em Boston 

AP
Foto de 29/1/2009 mostra senador Roger Wicker, republicano do Mississippi, durante coletiva no Capitólio, em Washington

O veneno pode ser produzido de forma fácil e barata, e autoridades em vários países investigaram vínculos entre suspeitos de extremismo e a ricina. De acordo com especialistas, a substância é mais efetiva em indivíduos do que uma arma de destruição em massa.

Martin Richard: Menino de 8 anos morto em ataque 'era cheio de vida e amava correr'

Krystle Campbell: Polícia identifica mulher de 29 anos como segunda vítima de ataque

A ricina foi usada no assassinato do dissidente búlgaro Georgi Markov, em 1978. O autor, que havia desertado do regime comunista do país nove anos antes, foi contaminado pela ponta de um guarda-chuva enquanto esperava por um ônibus em Londres e morreu quatro dias depois da exposição à substância.

Entre os senadores havia uma misto de apreensão e estima em relação aos protocolos de segurança - em vigor desde que cartas com anthrax começaram a ser enviadas após os ataques do 11 de Setembro .

As cartas com anthrax enviadas em 2001 começaram a aparecer em correios, redações e nos gabinetes do então líder da maioria Tom Daschle e do senador Patrick Leahy. Dois prédios do Senado foram fechados durante a investigação naquela ocasião. Ao todo, cinco morreram e outros 17 ficaram contaminados.

* Com AP 

 

Leia tudo sobre: mundoricinaobamacasa brancabostonataquesexploõesatentadocartaveneno

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas