EUA acusam autor de cartas de ameaçar Obama e autoridades com possível ricina

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Preso na quarta, Paul Kevin Curtis pode ser condenado a 15 anos de prisão. FBI o prendeu ao rastrear pistas deixadas por ele nas correspondências e em sua página do Facebook

O Departamento de Justiça dos EUA informou nesta quinta-feira que Paul Kevin Curtis foi acusado de ameaçar o presidente dos EUA, Barack Obama, e outros um dia após ter sido preso em sua casa em Corinth, Mississippi, pelo suposto envio de cartas que testes preliminares indicaram conter o veneno letal ricina. Se condenado, o americano pode ser sentenciado a 15 anos. Curtis nega as acusações e ficou surpreso com a prisão, disse seu advogado.

Quarta: Suspeito de mandar carta com veneno para Obama é preso

AP
Foto sem data obtida do Facebook mostra Paul Kevin Curtis, preso pelo envio de cartas com possível ricina a Obama e outra autoridades

O que é? : Ameaça bioterrorista, veneno ricina fez poucas vítimas

Curtis, 45 anos, acreditava ter descoberto uma conspiração para vender partes do corpo humano no mercado negro e alegou que "vários partidos dentro do governo" tentavam prejudicar sua reputação.

De acordo com uma declaração do FBI (polícia federal americana), Curtis enviou três cartas com a suposta substância tóxica para Obama, o senador republicano Roger Wicker, do Mississippi, e um juiz de seu Estado natal. As cartas diziam: "Ninguém quis me ouvir antes. Há ainda 'Partes Desaparecidas'. Talvez tenha sua atenção agora, mesmo que isso signifique que alguém deve morrer. Isso tem de parar. Ver um erro e não expô-lo é tornar-se um cúmplice silencioso de sua continuação. Sou KC e aprovo essa mensagem."

FBI: Testes preliminares apontam veneno ricina em carta a Obama

Líder da maioria democrata: Envelope com ricina é enviado a senador dos EUA

Segundo a nota, Curtis havia enviado várias vezes antes cartas ao escritório de Wicker com a mensagem "esse é Kevin Curtis e aprovo essa mensagem". Em várias correspondências a Wicker e a outras autoridades, Curtis relatou que escrevia um livro sobre órgãos no mercado negro chamado "Partes Desaparecidas". Em sua conta no Facebook, ele usou linguagem similar às cartas, diz a nota do FBI.

Legisladora: Polícia tem um suspeito por envio de veneno a senador

O documento indicou que Curtis desconfiava do governo há anos. Em 2007, sua ex-mulher relatou que seu marido era extremamente delirante, antigoverno e achava que era espionado por aviões não tripulados.

O caso das cartas aconteceu em meio ao choque do país com o ataque à Maratona de Boston, que deixou três mortos e quase 180 feridos na segunda. Os investigadores descartam relação entre os dois incidentes.

AP
Bombeiro vestido com roupa de proteção entram em local de triagem de correspondência do governo em Maryland (17/04)

Boston: Investigadores buscam dois possíveis suspeitos por ataque

A ricina é uma substância altamente tóxica derivada da mamona. Pouco menos de 500 microgramas - quantidade com o tamanho da cabeça de um prego - pode matar um adulto. Não há nenhum teste específico pela exposição e nenhum antídoto para uma eventual contaminação.

O veneno pode ser produzido de forma fácil e barata, e autoridades em vários países investigaram vínculos entre suspeitos de extremismo e a ricina. De acordo com especialistas, a substância é mais efetiva em indivíduos do que uma arma de destruição em massa.

A ricina foi usada no assassinato do dissidente búlgaro Georgi Markov, em 1978. O autor, que havia desertado do regime comunista do país nove anos antes, foi contaminado pela ponta de um guarda-chuva enquanto esperava por um ônibus em Londres e morreu quatro dias depois da exposição à substância.

*Com AP

Leia tudo sobre: ricinaobamawickerkcpaul kevin curtis

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas