FBI investiga potencial 'ato terrorista' na Maratona de Boston

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Nenhum grupo reivindicou responsabilidade pelas explosões, que deixaram três mortos e ao menos 176 feridos; segundo TV, agentes realizaram busca em apartamento no subúrbio

O FBI, a polícia federal dos Estados Unidos, descreveu como 'um potencial inquérito sobre terrorismo' as investigações sobre as duas fortes explosões que deixaram pelo menos três mortos e mais de cem feridos na segunda-feira na linha de chegada da Maratona de Boston.

Segundo os investigadores, nenhum grupo reivindicou responsabilidade pelas explosões, em um dos feriados mais cívicos da cidade, o Dia dos Patriotas. Mas as explosões entre a multidão de espectadores da maratona levantaram temores de um ataque terrorista.

Cenário: 'Explosões deixaram vários amputados', diz corredor da maratona de Boston

Entenda: Explosões na Maratona de Boston deixam ao menos três mortos nos EUA

Reuters
Agentes do FBI chegam à cena das explosões na maratona de Boston, nos EUA (15/4)

O presidente Barack Obama tomou cuidado para não usar as palavras "terror" ou "terrorismo" durante seu pronunciamento na Casa Branca na segunda, após as explosões, mas uma autoridade do governo, que falou em condição de anonimato, afirmou que as explosões eram tratadas como um ato de terrorismo.

"Nós descobriremos quem fez isso. Descobriremos por que fizeram isso", disse Obama. "Qualquer indivíduo ou grupo responsável sentirá o peso total da Justiça."

Obama: Responsáveis por explosões em Boston responderão à Justiça

As bombas explodiram com uma diferença temporal de poucos segundos, próximo à linha de chegada em uma das corridas mais prestigiadas do mundo, deixando ao menos três mortos, incluindo um menino de oito anos, e ferindo ao menos 176, 17 deles em estado crítico. 

O FBI está encarregado de investigar as explosões e pede qualquer imagem, qualquer vídeo e fotos captados pelos espectadores da maratona. Uma autoridade de segurança da Europa afirmou nesta terça-feira que as evidências iniciais indicavam que os ataques não foram feito por homens-bomba. "Até agora, investigadores acreditam que não foi trabalho de suicidas, mas ainda é muito cedo para descartar essa hipótese completamente", afirmou.

Cenário: 'Explosões deixaram vários amputados', diz corredor da maratona de Boston

Tensão: Cidades americanas e Londres aumentam segurança após explosões em Boston

A TV WBZ reportou na segunda-feira que policiais realizaram uma busca dentro de um apartamento em Revere, subúrbio de Boston. A Polícia do Estado de Massachusetts confirmou que houve um mandato de busca relacionado às explosões em Revere, mas não deu mais detalhes.

O Taleban do Paquistão, que com frequência ameaça os EUA por seu apoio ao governo paquistanês, negou nesta terça que tenha quaisquer relações com as explosões.

Com pouca informação oficial para orientá-los, membros do Congresso afirmam que havia pouca ou nenhuma dúvida de que se trata de um ato de terrorismo. "Só não sabemos se foi estrangeiro ou doméstico", afirmou o congressista Michael McCaul, presidente do Comitê de Segurança Interna.

AP
Corredor de 78 anos é protegido por polícia após cair durante segunda explosão perto de linha de chegada da Maratona de Boston (15/04)

A polícia amaricana afirmou que as duas explosões na linha de chegada da maratona foram quase simultâneas. Um incêndio foi registrado na Biblioteca Memorial JFK, nos arredores do centro de Boston. Ninguém ficou ferido. As autoridades disseram que estão investigando as explosões e o incêndio e que ainda não é possível dizer os casos estão relacionados. 

Segurança reforçada

A segurança foi reforçada em edifícios famosos de Nova York e Washington. "Nossas orações estão com as pessoas em Boston que sofreram ferimentos", afirmou o vice-presidente, Joe Biden, que participava de uma teleconferência sobre o controle de armas.

Relato: Estudante dos EUA escapa de explosões em Boston por cinco minutos

Obama telefonou para o prefeito de Boston, Tom Menino, e para o governador de Massachusetts, Deval Pactrick, para oferecer a ajuda do governo federal. A FAA, a agência que controla a aviação civil nos Estados Unidos, determinou uma zona de exclusão aérea na região das explosões.

A presidente brasileira Dilma Rousseff lamentou o "trágico incidente". Segundo uma nota publicada pela Secretaria de Comunicação, "a presidenta manifestou seu repúdio a esse ato insano de violência e sua solidariedade, em nome de todos os brasileiros, às vítimas e suas famílias".

Sangue e fumaça

Na linha de chegada da maratona, vítimas ensanguentadas foram inicialmente levadas para uma tenda médica montada no local para atender os corredores da maratona. Serviços de emergência se deslocaram para a área das explosões, que foi rapidamente isolada pelas autoridades.

Brasileira em Boston: 'Não sabíamos para onde era seguro ir',

Autoridades médicas afirmaram que ao menos oito vítimas sofreram amputações. Muitas teriam sido atingidas por pregos e parafusos - que teriam sido usados na confecção dos artefatos explosivos.

No Hospital Geral de Massachusetts, Alasdair Conn, chefe dos serviços de emergência, disse: "Isso é algo que eu nunca vi nos meus 25 anos aqui... essa quantidade de carnificina em meio à população civil. Isso é o que eu esperaria de uma guerra."

Assista ao vídeo do Boston Globe do momento da explosão:

A primeira explosão ocorreu por volta das 14h50 locais (15h50, no horário de Brasília), aproximadamente duas horas após os vencedores da maratona terem cruzado a linha de chegada.

De acordo com informações da AP, o forte barulho da primeira explosão foi registrado no lado norte da rua Boylston, pouco antes da ponte que marca a linha de chegada. Outra forte explosão foi ouvida poucos segundos depois.

Pouco depois das explosões, a fumaça era visível diante das bandeiras alinhadas na chegada de uma das maratonas mais antigas e famosas do mundo.

Correria e gritos

Imagens gravadas de um helicóptero exibiram grandes manchas de sangue no asfalto na popular região de compras e turismo conhecida como Back Bay. O corredor Mike Mitchell, de Vancouver (Canadá), que tinha completado a maratona, afirmou que estava olhando para trás, para a linha de chegada, quando viu uma "enorme explosão".

Assista ao vídeo do momento posterior à explosão:

A fumaça no local alcançou cerca de 15 metros de altura, segundo o depoimento de Mitchell à agência de notícias Reuters, e as pessoas começaram a correr e gritar. "Todos ficaram apavorados", contou o canadense.

Os corredores que ainda não tinham completado a maratona foram desviados para longe do local da fumaça das explosões, e as ruas ao redor foram isoladas. A unidade da Cruz Vermelha para o leste do Estado de Massachusetts montou um centro de resposta a desastres no local.

A Maratona de Boston é um dos maiores eventos anuais de atletismo nos Estados Unidos e atrai um grande número de corredores, além de milhares de espectadores.

Veja galeria de fotos:

Memorial improvisado com par de tênis de corrida é visto em campus de Universidade de Boston após identificação de estudante como um dos mortos em ataque de segunda (17/04). Foto: APInvestigador do FBI desce em guindaste com uma bolsa recolhida do alto de um prédio próximo ao local onde houve explosões na Maratona de Boston (17/04). Foto: APInvestigadores vasculham área perto de linha de chegada de Maratona de Boston dois dias depois de explosão de bombas (17/04). Foto: APFotos da cena das explosões da Maratona de Boston tirada por investigadores mostram os restos do explosivo (17/04). Foto: ReutersLizzie Lee, 56, que participava de sua primeira Maratona de Boston, segura vela e flor durante vigília por vítimas de ataque (16/04). Foto: APHomem coloca bilhete com flores em barricada de polícia perto da linha de chegada da Maratona de Boston (16/04). Foto: APInvestigadores numeram vidros destruídos e destroços em local da explosão de primeira bomba na Maratona de Boston (16/04). Foto: APVizinhos sentam do lado de fora de casa de pais de Krystle Campbell, que foi morta no ataque em Boston (16/04). Foto: APCorredor de 78 anos é protegido por polícia após cair durante segunda explosão perto de linha de chegada da Maratona de Boston (15/04). Foto: APHomem caminha com as calças rasgadas após explosões na Maratona de Boston (15/04). Foto: APSegunda bomba explode perto de linha de chegada da Maratona de Boston (15/04). Foto: APCom roupas de proteção, investigadores vasculham área afetada por explosão perto de linha de chegada na Maratona de Boston (15/04). Foto: APPessoas correm após explosões na Maratona de Boston (15/04). Foto: APPolicial leva garoto ferido de cadeira de rodas após explosões durante a maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APCriança chora após explosões atingirem maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: ReutersCorredoras reagem após segunda explosão atingir maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APAtleta cai e recebe ajuda após segunda explosão em Boston (15/04). Foto: APNo Salão Oval, presidente dos EUA, Barack Obama, fala ao telefone com diretor do FBI, Robert Mueller, sobre as explosões em Boston (15/04). Foto: Casa Branca/Governo dos EUA/Mulher conforta outra aparentemente ferida após explosões na maratona de Boston, EUA (15/04). Foto: ReutersMédicos auxiliam feridos após explosões atingirem maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APMédicos auxiliam feridos na linha de chegada da maratona de Boston após explosões (15/04). Foto: APReprodução da TV WBZ mostra fumaça decorrente das explosões que atingiram maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APMédicos ajudam feridos após explosões perto da linha de chegada da maratona de Boston, EUA (15/04). Foto: AP


Leia tudo sobre: maratona de bostonbostoneuamaratonaataque em boston

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas