Estudante dos EUA escapa de explosões em Boston por cinco minutos

Por Bruna Carvalho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Pouco antes de explosão das bombas, Samuel O'Hare e amigos decidem deixar evento e ir ao dormitório da universidade: 'Não me considero sobrevivente, mas um homem de sorte'

Reprodução/Facebook
Estudante afirmou que viu centenas 'correndo, gritando e chorando' após o incidente

O estudante americano Samuel O'Hare e amigos escaparam do ataque na Maratona de Boston por deixar o local do evento apenas cinco minutos antes da explosão das duas bombas. "Não me considero um sobrevivente, mas um homem de sorte", disse ao iG. "Se tívessemos ficado um pouco mais (na maratona) poderíamos agora estar feridos ou mortos."

Ataque: Explosões na maratona de Boston deixam mortos e feridos nos EUA

O'Hare, que cursa Música na Universidade de Berklee, localizada a poucos metros do local do incidente, disse que ele e seus amigos decidiram retornar ao dormitório, pois ficaram cansados de acompanhar o evento durante todo o dia. "Assim que chegamos (ao dormitório), ouvimos duas explosões muito fortes. Pensamos que se tratava de um canhão sinalizando o fim da maratona, quando vimos a fumaça pela janela", relatou.

Cenário: 'Explosões deixaram vários amputados', diz corredor da maratona de Boston

Ele e seus colegas deixaram o prédio da universidade e caminharam pela avenida Commonwealth, paralela à rua Boylston, onde aconteceram as explosões. "Vimos centenas correndo, gritando e chorando", disse o estudante. Segundo O'Hare, ambulâncias, carros de bombeiros e veículos da polícia chegavam "freneticamente" ao local.

Ele, que assistiu ao evento pela primeira vez nesta segunda, ressaltou que os feridos rapidamente receberam auxílio uma vez que havia muitos médicos na linha de chegada, esperando pelos maratonistas.

Obama: Responsáveis por explosões em Boston responderão à Justiça

Veja a galeria de fotos das explosões em Boston:

Memorial improvisado com par de tênis de corrida é visto em campus de Universidade de Boston após identificação de estudante como um dos mortos em ataque de segunda (17/04). Foto: APInvestigador do FBI desce em guindaste com uma bolsa recolhida do alto de um prédio próximo ao local onde houve explosões na Maratona de Boston (17/04). Foto: APInvestigadores vasculham área perto de linha de chegada de Maratona de Boston dois dias depois de explosão de bombas (17/04). Foto: APFotos da cena das explosões da Maratona de Boston tirada por investigadores mostram os restos do explosivo (17/04). Foto: ReutersLizzie Lee, 56, que participava de sua primeira Maratona de Boston, segura vela e flor durante vigília por vítimas de ataque (16/04). Foto: APHomem coloca bilhete com flores em barricada de polícia perto da linha de chegada da Maratona de Boston (16/04). Foto: APInvestigadores numeram vidros destruídos e destroços em local da explosão de primeira bomba na Maratona de Boston (16/04). Foto: APVizinhos sentam do lado de fora de casa de pais de Krystle Campbell, que foi morta no ataque em Boston (16/04). Foto: APCorredor de 78 anos é protegido por polícia após cair durante segunda explosão perto de linha de chegada da Maratona de Boston (15/04). Foto: APHomem caminha com as calças rasgadas após explosões na Maratona de Boston (15/04). Foto: APSegunda bomba explode perto de linha de chegada da Maratona de Boston (15/04). Foto: APCom roupas de proteção, investigadores vasculham área afetada por explosão perto de linha de chegada na Maratona de Boston (15/04). Foto: APPessoas correm após explosões na Maratona de Boston (15/04). Foto: APPolicial leva garoto ferido de cadeira de rodas após explosões durante a maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APCriança chora após explosões atingirem maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: ReutersCorredoras reagem após segunda explosão atingir maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APAtleta cai e recebe ajuda após segunda explosão em Boston (15/04). Foto: APNo Salão Oval, presidente dos EUA, Barack Obama, fala ao telefone com diretor do FBI, Robert Mueller, sobre as explosões em Boston (15/04). Foto: Casa Branca/Governo dos EUA/Mulher conforta outra aparentemente ferida após explosões na maratona de Boston, EUA (15/04). Foto: ReutersMédicos auxiliam feridos após explosões atingirem maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APMédicos auxiliam feridos na linha de chegada da maratona de Boston após explosões (15/04). Foto: APReprodução da TV WBZ mostra fumaça decorrente das explosões que atingiram maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APMédicos ajudam feridos após explosões perto da linha de chegada da maratona de Boston, EUA (15/04). Foto: AP

Duas bombas explodiram perto da linha de chegada da maratona, deixando mortos e dezenas de feridos. Ainda não está claro quem são os responsáveis pelas detonações, mas o presidente dos EUA, Barack Obama, prometeu que os autores serão descobertos, assim como sua motivação, e que eles "sentirão todo o peso da Justiça".

Tensão: Cidades americanas e Londres aumentam segurança após explosões em Boston

Segundo autoridades, cerca de duas horas depois que os vencedores cruzaram a linha de chegada, houve uma forte explosão na parte norte da rua Bolyston. Outra explosão foi ouvida poucos segundos depois, deixando a praça Copley cheia de fumaça.

Por causa do ataque, a polícia em Nova York, São Francisco, Los Angeles, Washington D.C. e em Londres aumentaram as medidas de segurança. No Reino Unido, policiais revisaram seus planos de segurança para a maratona de Londres, que ocorrerá neste domingo e costuma atrair centenas de espectadores. Londres é uma cidade considerada alvo pontencial de terroristas estrangeiros.

*Com informações da AP

Leia tudo sobre: ataque em bostonbostoneuamaratona de bostonmaratona

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas