Segundo deputado, autoridades acreditam que explosivos eram similares a artefatos improvisados usados contra soldados dos EUA no Iraque e Afeganistão

Os explosivos usados na segunda-feira no ataque lançado durante a Maratona de Boston eram provavelmente artefatos em "panelas de pressão" que espalharam afiados pedaços de estilhaços nas vítimas que estavam perto das explosões, disseram autoridades nesta terça.

Obama sobre Boston: 'Quando bombas são usadas contra civis, é terrorismo'

Ataque:  Explosões na Maratona de Boston deixam ao menos três mortos nos EUA

Homem coloca bilhete com flores em barricada de polícia perto da linha de chegada da Maratona de Boston
AP
Homem coloca bilhete com flores em barricada de polícia perto da linha de chegada da Maratona de Boston

Cenário: 'Explosões deixaram vários amputados', diz corredor da maratona de Boston

Coletiva: FBI descarta novas ameaças em Boston e promete investigar 'até o fim do mundo'

Cirurgiões de vários hospitais de Boston disseram em coletivas televisionadas que os artefatos explosivos aparentemente foram montados com pequenos cartuchos de PVC e afiados objetos similares a pregos com o objetivo de mutilar suas vítimas. Médicos que trabalham no tratamento das vítimas revelaram que muitas tiveram ferimentos graves nas pernas. Em muitos casos, elas tiveram membros amputados.

Os novos detalhes sobre os explosivos surgiram no mesmo dia em que o presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou na Casa Branca que o ataque era " um ato de terrorismo ", com a ressalva de que ainda não havia informações se foi lançado por um indivíduo ou grupo, estrangeiro ou doméstico.

O deputado republicano Michael McCaul, do Texas, que chefia a comissão de Segurança Interna da Câmara dos Representantes, disse que autoridades acreditam que os explosivos eram similares a artefatos improvisados usados contra soldados americanos no Iraque e no Afeganistão.

McCaul, um ex-procurador-federal que recebeu informações do FBI e de autoridades de Segurança Interna, também afirmou que as autoridades ainda não sabem se o ataque faz parte de uma conspiração externa ou doméstica.

Itamaraty: Brasileira ficou ferida em ataque em Boston

Hagel: Ataque em Boston é 'cruel ato de terror', diz secretário da Defesa dos EUA

Um policial disse que ao menos uma das bombas, e provavelmente ambas, estavam em panelas de pressão cheias de pregos, objetos de rolamento de esferas e pólvora que foram detonadas com timers rudimentares normalmente usados em cozinhas. Segundo essa fonte, os investigadores acreditam que as bombas foram escondidas dentro de sacolas ou mochilas e deixadas na rua ou na calçada perto da linha de chegada da maratona.

Assista ao vídeo feito por corredor durante Maratona de Boston:

Dispositivos explosivos rudimentares feitos de panelas de pressão foram amplamente utilizados em ataques no Afeganistão, Índia, Nepal e Paquistão, países onde esse tipo de panela é comum, de acordo com nota de alerta divulgada pelo Departamento de Segurança Interna em 2010.

Mas eles ocasionalmente foram usados nos EUA também: Faisal Shahzad , um cidadão americano que tentou um ataque com carro-bomba na Times Square em 2010, incluiu uma panela de pressão cheia de fogos de artifício na coleção de explosivos de seu veículo. Os artefatos soltaram fumaça, mas não explodiram.

Investigação

O FBI revelou que está investigando um "número volumoso" de pistas relacionadas às duas fortes explosões, que deixaram três mortos, incluindo um menino de 8 anos . O agente especial Richard Deslauriers, encarregado das investigações, afirmou em uma coletiva que agentes estão interrogando testemunhas e analisando o local das explosões.

Eventos: Maratona de Londres é mantida no domingo apesar de explosões em Boston

Vídeo: Câmera flagra momento de explosões na Maratona de Boston; assista

Segundo ele, não há conhecimento sobre qualquer ameaça adicional em Boston. "Não há nenhuma ameaça física iminente em qualquer local onde estamos conduzindo a investigação no momento", disse. "Nossa missão é clara, levar à Justiça os responsáveis pelos ataques na maratona. O público americano quer respostas, os cidadãos de Boston e a comunidade do Estado de Massachusetts querem e merecem respostas", disse Delauriers.

O agente do FBI afirmou também que a investigação, apesar de estar ainda nos estágios iniciais, não vai se restringir apenas a Boston ou aos EUA. "Esta será uma investigação mundial. Vamos até o fim do mundo para indentificar a pessoa ou as pessoas responsáveis por esse crime", afirmou. Delauriers não deu mais detalhes sobre o progresso das investigações ou se as autoridades já sabem quem foram os responsáveis pelos ataques na segunda.

Duas bombas apenas

O governador do Estado de Massachusetts, Deval Patrick, que também participou da coletiva, negou a informação dada na segunda de que outras bombas além das detonadas perto da linha de chegada da maratona foram encontradas no local.

Veja galeria de imagens do ataque em Boston:

"É importante esclarecer que dois e apenas dois dispositivos explosivos foram encontrados na área (da explosão). Os outros pacotes que foram investigados não eram dispositivos explosivos", afirmou.

Vítima: Menino de 8 anos morto em ataque em Boston 'era cheio de vida e amava correr'

Relato: Estudante dos EUA escapa de explosões em Boston por cinco minutos

O comissário da Polícia de Boston, Ed Davis, informou que, até o momento, ninguém foi preso e que a polícia local, juntamente com o FBI, pede a cooperação da população. "Encaminhem qualquer foto que tenham (feito) naquela área e informem o horário em que foram tiradas. Nos deem as fotos e o máximo de informações para avançarmos com a investigação", pediu o policial.

Se as investigações confirmarem que as explosões em Boston foram um ataque terrorista, será o pior atentado contra os EUA desde o 11 de Setembro de 2001 . A segurança foi reforçada em edifícios famosos de Nova York e Washington.

O governador de Massachussetts afirmou que as medidas de segurança também vão aumentar em Boston. "Haverá revistas aleatórias de mochilas e outros pacotes. Também estamos pedindo que todos continuem em um estado de maior vigilância", disse.

*Com New York Times, AP e BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.