EUA e OEA apoiam recontagem de votos da eleição na Venezuela

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Porta-voz da Casa Branca diz que dado o resultado apertado da votação, auditoria seria passo 'prudente e necessário'; Maduro afirma não ter medo de recontagem de votos

Os EUA e a Organização dos Estados Americanos (OEA) recomendaram nesta segunda-feira (15) que a Venezuela realize uma auditoria sobre sua eleição presidencial, vencida por estreita margem pelo sucessor escolhido por Hugo Chávez, o ex-chanceler Nicolás Maduro.

Resultado: Em votação apertada, Nicolás Maduro é eleito novo presidente da Venezuela

Opositor: Capriles não reconhece resultado e pede recontagem de votos na Venezuela

AP
Porta-voz da Casa Branca, Jay Carney diz que auditoria na Venezuela seria 'passo prudente e necessário' (12/4)

Leia também: 'Não haverá pacto com a burguesia', diz Maduro em dia de eleição

A Casa Branca disse que a recontagem de votos é um passo necessário e prudente. "Dado o resultado apertado, o candidato da oposição e pelo menos um membro do conselho eleitoral pediram uma auditoria de 100% dos resultados. Parece um passo importante, prudente e necessário para assegurar que todos os venezuelanos tenham confiança nos resultados", disse Jay Carney, porta-voz da Casa Branca, em coletiva.

"Em nossa visão, correr para uma decisão nessas circunstâncias seria inconsistente com as expectativas dos venezuelanos por um resultado claro e democrático."

No Twitter: Maduro é hackeado e Capriles insinua tentativa de fraude em eleição

Poder Online: PT comemora eleição de Nicolás Maduro na Venezuela

O secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, também apoiou à ideia da recontagem dos votos. "No contexto de divisão profunda e polarização política, como o processo eleitoral demostrou, o mais alto representante da OEA faz um apelo fervoroso por um diálogo nacional", disse a organização em comunicado.

Exclusivo: Ao iG, Capriles equilibra elogios a Chávez com ataques a sucessor do chavismo

Perfil: De motorista a presidente, Maduro se apega à imagem de Chávez

Candidato governista, Maduro venceu a eleição com 50,66% dos votos, contra 49,1% do opositor, Henrique Capriles Radonski. O candidato do bloco da oposição afirmou, após o anúncio da vitória de Maduro, que não reconheceria o resultado até que fosse realizada uma recontagem "voto por voto". Segundo ele, houve 3,2 mil incidentes eleitorais.

AP
'O povo venezuelano merece respeito', diz Capriles em protesto ao resultado nas urnas

Entretanto, segundo a missão de observadores da Unasul, os resultados das eleições devem ser respeitados. De acordo com Carlos Álvarez, líder da missão de observadores, a reclamação e os questionamentos devem seguir um processo jurídico legal.

Perfis: Saiba mais sobre o círculo de poder chavista

Relembre: Morre aos 58 anos Hugo Chávez, presidente da Venezuela

Enquanto Capriles insitiu para que seja feita uma recontagem dos votos, Maduro afirmou que estava aberto a uma auditoria. Não ficou claro, entretanto, se as autoridades eleitorais permitirão a recontagem. "Não reconheceramos o resultado até que cada voto dos venezuelanos seja contado", disse Capriles. "Essa luta não terminou."

Em resposta, Maduro disse que "vamos permitir que 100% das urnas sejam abertas (...) vamos fazer isso; não temos medo."

Maduro, presidente interino desde a morte de Chávez, em 5 de março, possuía vantagem de cerca de 10 pontos percentuais nas pesquisas de opinião, mas autoridades eleitorais afirmam que ele obteve 50,66% dos votos, contra 49,1% de Capriles, com quase todas as urnas computadas.

A diferença foi de cerca de 234.935 votos em um universo de 14,8 milhões. O comparecimento foi de 78%, um pouco abaixo em comparação à eleição de outubro, com 80%. Na ocasião, Chávez venceu com 11 pontos de vantagem sobre Capriles.

Nicolás Maduro, herdeiro político de Chávez, chega ao seu posto eleitoral em Caracas, neste domingo (19). Foto: APPresidente em exercício, Nicolás Maduro, faz uma oração após depositar seu voto em colégio de Caracas. Foto: APCandidato Henrique Capriles mostra dedo com tinta após dar seu voto em posto eleitoral de Caracas. Foto: ReutersHenrique Capriles, candidato da oposição e que enfrenta Nicolás Maduro, chega ao posto de votação, em Caracas. Foto: ReutersMenina de cinco anos acompanha família que vota no consulado da Venezuela, na capital Havana, em Cuba 
. Foto: ReutersVenezuelanos formam fila para votar neste domingo (14), em Caracas; 19 milhões são esperados . Foto: APSoldado venezuelano deposita seu vota na urna eleitoral, em Caracas, neste domingo (14). Foto: APEleitores checam listas em Caracas, neste domingo (14). Votação decidirá o futuro do País. Foto: ReutersApós depositar seu voto, eleitora tem dedo manchado em posto eleitoral de Caracas, capital do país. Foto: APVenezuelanos aguardam em Caracas para votar nas primeiras eleições após a morte de Chávez. Foto: APEleitores formam fila em postos e aguardam para votar neste domingo (14). Foto: Reuters

Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: eleição na venezuelacaprilesmaduroeuaoeavenezuela

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas