Coreia do Norte comemora aniversário de nascimento de líder fundador

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Após semanas de ameaças contra EUA e seus aliados, Pyongyang marca com desfiles nas ruas 101º aniversário de Kim Il-sung, avô do atual líder do país, Kim Jong-un

A Coreia do Norte comemorou nesta segunda-feira (15) o aniversário de 101 anos do nascimento do fundador do país, Kim Il-sung. Kim Jong-un, atual líder, visitou o mausoléu de seu avô e de seu pai, Kim Jong-il, em Pyongang, segundo informou a agência de notícias KCNA.

Leia também: BBC é acusada de usar estudantes para filmar na Coreia do Norte

AP
Criança cobre os olhos do pai enquanto assiste apresentação de dança em frente ao estádio de Pyongyang, na Coreia do Norte

Saiba mais: EUA buscam apoio do Japão para controlar Coreia do Norte

As ruas da capital estavam enfeitadas com bandeiras e cartazes em decorrência do 101º aniversário de Kim Il-sung, que morreu em 1994, sendo sucedido por Kim Jong-il, até sua morte em 2011.

A comemoração foi precedida por ameaças da Coreia do Norte de realizar ataques nucleares contra os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão após ter sofrido novas sanções da ONU em resposta ao seu teste mais recente com armas nucleares, em fevereiro.

Diplomacia: EUA e China acertam pacto para desnuclearizar Coreia do Norte

Em Seul: Secretário de Estado dos EUA alerta Coreia do Norte: 'Não teste míssil'

Muitos observadores da Coreia do Norte esperavam um grande desfile militar para exibir as Forças Armadas do país no "Dia do Sol", a data em que o fundador Kim Il-Sung nasceu.

Mas nesta segunda-feira, o aniversário de 101 anos de nascimento do líder morto foi marcado em  Pyongyang por um festival de flores com o nome de Kim. Em contraste com a semana de provocações contra os seus inimigos, a mídia estatal norte-coreana fez quase nenhuma menção ao conflito.

Nahum Sirotsky: Retórica norte-coreana faz Israel reforçar defesa contra Irã

Leia também: Coreia do Norte e Síria dominam debate entre ministros do G8

No domingo, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, pediu aos líderes da Coreia do Norte que "compareçam à mesa de negociações de forma responsável" para dar um fim às tensões regionais, alertando para um maior isolamento, caso as ameaças continuem. Ele também reafirmou o compromisso do país em defender seus aliados, incluindo o Japão.

"A Coreia do Sul e os Estados Unidos enviaram uma mensagem de diálogo, então por ora o Norte muda para esse estado", disse Yang Moo-jin, da Universidade de Estudos sobre a Coreia do Norte, em Seul.

Saiba mais: Coreia do Sul eleva alerta por risco de teste de míssil do Norte

Os Estados Unidos ofereceram negociações, mas sob a pré-condição de que a Coreia do Norte abandone suas ambições com armas nucleares. A Coreia do Norte considera seu armamento nuclear como uma "espada preciosa" e prometeu nunca desistir dele.

Houve especulações na semana passada de que a Coreia do Norte estaria preparada para realizar o teste de um míssil, após registros de que o país havia movido dois mísseis balísticos para sua costa leste.

Em coletiva junto ao ministro das relações exteriores do Japão, Fumio Kishida, no domingo, Kerry destacou que Seul, Pequim, Tóquio e Washington possuem o "compromisso de agir juntos" em fazer o objetivo da desnuclearização da península coreana "uma realidade".

Leia tudo sobre: coreia do nortecoreia do sulpyongyangteste nuclear

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas