Vaticano vai ampliar transparência financeira

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Santa Sé tenta se livrar da reputação de finanças obscuras após um ano em que documentos alegando corrupção no trato de seus negócios foram vazados pelo mordomo de Bento 16

Reuters

O Vaticano se ofereceu para ampliar os termos sob os quais é avaliado pela transparência financeira, na sequência de um relatório crítico pela agência europeia de fiscalização de lavagem de dinheiro Moneyval, disseram autoridades nesta quarta-feira.

Sábado: Papa Francisco pede 'determinação' contra casos de abusos sexuais na Igreja

AP
Multidão é vista na Praça de São Pedro, no Vaticano (13/03)

A Santa Sé tenta se livrar da reputação de finanças obscuras após um ano em que documentos alegando corrupção no trato de seus negócios foram vazados pelo mordomo do papa Bento 16, e o presidente do banco deixou o posto em uma disputa sobre transparência.

VatiLeaks: Enquanto Vaticano lida com documentos vazados, livro detalha disputas internas

Em um relatório de julho de 2012, a Moneyval, um departamento do Conselho da Europa, criticou a Santa Sé pela não conformidade com as normas globais de transparência financeira e deu notas negativas em sete das 16 recomendações chamadas "centrais" e "principais".

Segundo as regras da Moneyval, a Santa Sé tem até 4 de julho para cumprir todas as recomendações "centrais", por exemplo instituindo a fonte e a legalidade dos fundos e comunicando transações suspeitas.

O Vaticano, além disso, voluntariamente decidiu também abordar as recomendações "principais" que não cumpria totalmente até o prazo, disse a Moneyval à Reuters. Isso inclui a garantia de que as instituições financeiras sejam devidamente regulamentadas, e que as autoridades bancárias cooperem plenamente com equivalentes internacionais.

Isso significa que o Vaticano também abordará as principais recomendações sobre a prevenção do "financiamento de atos terroristas" e ter um sistema de "congelamento e confisco de bens de terroristas".

Grande parte das críticas da falta de transparência financeira do Vaticano tem se concentrado no Instituto para as Obras Religiosas (IOR), o Banco do Vaticano, que tem estado no centro de escândalos repetidos ao longo dos anos.

Leia tudo sobre: vaticanobanco do vaticanoigreja católica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas