Irã anuncia novos projetos nucleares após fracasso em negociação

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ahmadinejad ordenou início simbólico das operações pelo Dia Nacional do Irã da Tecnologia Nuclear, que marca aniversário da primeira vez que o país enriqueceu urânio, em 2006

O Irã anunciou nesta terça-feira (9) dois projetos nucleares importantes que expandirão a habilidade de extrair e processar urânico, que pode ser enriquecido e abastecer reatores, mas também tem potencial uso para armas atômicas.

O desenvolvimento ocorre dias depois que uma nova rodada de diálogos com potências mundiais que buscam limitar o programa atômico de Teerã terminou em impasse.

Em Israel: Obama promete determinação contra objetivos nucleares do Irã

AP
Presidente Mahmoud Ahmadinejad, falou durante a cerimônia do Dia Nacional da Tecnologia Nuclear, em Teerã, Irã

Venezuela: Abraço de Ahmadinejad em mãe de Chávez é alvo de críticas no Irã

O Irã já possui minas de urânio e capacidade para transformar o minério bruto em um material chamado yellowcake, que é o primeiro fase na cadeia de enriquecimento. Mas as novas instalações - a maior mina de urânio do país e a instalação de processamento - dão a Teerã mais autossuficiência em relação às matérias-primas e reforçam a unidade iraniana de expandir suas capacidades nucleares mesmo com as potências nucleares pressionando por concessões.

Tecnologia: Irã monta três mil centrífugas avançadas para enriquecer urânio

Irã e o grupo de seis nações - os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha - permanecem em um impasse após a última rodada de diálogos na semana passada em relação aos esforços para conter o programa nuclear iraniano. O secretário de Estado americano, John Kerry, disse que "a porta ainda estava aberta" para um pacto de negociação com o Irã, mas exigiu que os líderes de Teerã dessem os primeiros passos para acabar com as preocupações internacionais de que eles estariam desenvolvendo armas nucleares.

O Irã afirma que quer reatores nucleares unicamente para eletricidade e aplicações medicinais. As autoridades do país exigem que as potências mundiais reconheçam o direito do país de enriquecer urânio e alivie as sanções da ONU e do Ocidente. "Presidente (Barack) Obama não poderia ter sido mais claro: O Irã não pode ter e não terá armas nucleares", disse Kerry nsta terça-feira após o diálogo em Jerusalém com Benjamin Netanyahu. "Estamos abertos a negociações", acrescentou.

Fevereiro: Potências travam diálogo sobre programa nuclear iraniano

Autoridade dos EUA: Potências devem oferecer alívio de sanções ao Irã

O anúncio desta terça sobre os novas instalações de urânio sugere que o Irã pretende seguir com as promessas de expandir suas capacidades nucleares, desafiando as sanções e outras pressões diplomáticas.

O presidente Mahmoud Ahmadinejad ordenou um início simbólico das operações através de uma vídeo conferência pelo Dia Nacional do Irã da Tecnologia Nuclear, que marca o aniversário da primeira vez que o país enriqueceu urânio em 2006.

Ahmadinejad repetiu afirmações anteriores de que o Irã "se tornou nuclear" e os EUA e seus aliados não podem impedir o progresso do Irã no que o país chamou de desenvolvimento atômico pacífico.

Leia mais: Irã anuncia descoberta de urânio antes de diálogo sobre programa nuclear

A televisão estatal simultaneamente mostrou cerimômias na maior mina de urânio do país em Saghand e uma planta de produção concentrada de minério de urânio em Ardakan, ambos no centro do país.

Nenhum dos dois locais representa uma tecnologia nova para o Irã, que já tem minas menores e instalações de processamento de urânio. Mas dão ao Irã maior controle em produzir matérias-primas para enriquecimento de combustível nuclear.

Com AP

Leia tudo sobre: irãprograma nuclearteerãahmadinejad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas