Explosão mata diplomata norte-americana de 25 anos no Afeganistão

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Também morreram soldados e civis dos dois países. Em outro ataque, 10 crianças e uma mulher afegã foram as vítimas

A explosão de um carro-bomba matou cinco norte-americanos, incluindo três soldados e uma jovem diplomata, no Afeganistão. Em outro episódio, também neste fim de semana, um ataque aéreo da Otan matou 11 civis afegãos, incluindo 10 crianças.

AP
Blindado das forças da OTAN é removido do Afeganistão em preparativos para retirada de tropas (7/4)


A diplomata e outros norte-americanos estavam num comboio de veículos na província de Zabul, quando a explosão ocorreu, afirmou o secretário de Estado, John Kerry, em um comunicado. Os soldados, a diplomata e um funcionário civil do Departamento de Defesa morreram, além de civis afegãos.

O jornal The Washington Post identificou a diplomata como Anne Smedinghoff, de 25 anos. Smedinghoff assessorou Kerry quando ele visitou o Afeganistão no mês passado, segundo o jornal.

Autoridades locais e internacionais na região disseram mais cedo que seis pessoas haviam morrido na explosão: os três soldados, dois civis norte-americanos e um médico afegão. O governador da província, Mohammad Ashraf Nasery, estava no comboio, mas não ficou ferido, segundo autoridades locais e da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

"Os norte-americanos e os seus colegas afegãos estavam indo doar livros para estudantes numa escola em Qalat, a capital da província, quando foram atacados", declarou Kerry no comunicado. Ele disse ter se encontrado com a diplomata durante visita a Cabul e afirmou ter falado com os seus pais depois de sua morte. Quatro outros diplomatas americanos ficaram feridos, um em estado grave, declarou Kerry.

Cinco afegãos, incluindo um estudante e dois repórteres, também ficaram feridos nesta ação, de acordo autoridades locais.

O ataque ocorre num momento em que o general Martin Dempsey, chefe do Estado-Maior dos Estados Unidos, avalia o treinamento a ser dado às tropas afegãs antes da retirada norte-americana, planejada para o fim de 2014. O Taliban assumiu a responsabilidade pelo ataque em Zabul. A província faz fronteira com o Paquistão e com Kandahar, berço do Taliban.

No leste do Afeganistão, um outro civil norte-americano, que trabalhava para o governo dos EUA, morreu vítima de um ataque insurgente, informou a Otan.

Crianças

Um ataque aéreo da Otan matou 11 civis afegãos, incluindo 10 crianças, neste mesmo fim de semana. A coalizão liderada pelos EUA confirmou que deu ordens para ataques aéreos pelas forças internacionais em uma área remota da província de Kunar, perto da fronteira com o Paquistão. A coalizão disse que estava ciente dos relatos de que civis foram mortos, mas não tinha informações imediatas sobre suas mortes.

A morte de civis afegãos apanhados no fogo cruzado da batalha tem sido um grande ponto de discórdia entre as forças internacionais e o governo afegão, o que levou o presidente Hamid Karzai a proibir suas tropas de fazer ataques aéreos no início deste ano.

Wasifullah Wasify, um funcionário do governo na província de Kunar, disse que o ataque aéreo no sábado teve como alvo de uma casa e matou 10 crianças e uma mulher dentro. Ele disse que sete suspeitos talibãs também foram mortos e outras cinco mulheres foram feridos dentro da casa.

*com AP e Reuters

Leia tudo sobre: AFEGANISTOdiplomataSmedinghoff

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas