Filha do rei da Espanha enfrenta suspeitas em inquérito de corrupção

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Juiz intimou Cristina de Borbón y Grecia a depor em 27 de abril na investigação sobre desvio de dinheiro público por seu marido Iñaki Urdangarín

A princesa Cristina, filha caçula do rei Juan Carlos, da Espanha, enfrenta suspeitas em uma investigação sobre desvio de dinheiro público por seu marido Iñaki Urdangarín, disse um funcionário do tribunal nesta quarta-feira.

Em 2011: Genro de rei da Espanha é acusado de fraude e corrupção

Leia mais: Suposta amante do rei espanhol recebia para beneficiar empresas no exterior

A Corte de Palma de Mallorca disse que a princesa sera intimada a depor em 27 de abril. Ela, entretanto, não foi acusada de nenhum crime.

BBC Brasil
Iñaki Urdangarín e Cristina de Borbón, filha caçula do monarca espanhol, em foto sem data

O juiz José Castro afirmou que a princesa era membro da diretoria de duas das empresas do marido e há indicativos de que ela estava ciente de que Urdangarín usava seu nome e seu status  em seus acordos, dos quais os dois se beneficiavam.

Ele afirmou que para a prova estar completa e para mostrar que a Justiça trata a todos com igualdade ela seria intimada a depois.

Seu marido e seu ex-sócio, Diego Torres, são acusados de ter canalizado cerca de 5 milhões ed euros em fundos públicos para os cofres das empresas que controlavam. Os dois dirigiam uma organização sem fins lucrativos chamada de Instituto Noos, da qual a princesa era membro da diretoria. Através dessa empresa, os fundos eram supostamente canalizados.

O Palácio Real se recusou a comentar. 

Urdangarín não foi formalmente acusado de um crime, mas é suspeito no caso. Ele foi interrogado duas vezes pelo juíz desde o início do inquérito há dois anos. 

As especulações de que a princesa poderia estar envolvida no caso começou quando Torres supostamente começou a enviar ao juiz e-mails que teria trocado com Urdangarín.

Urdangarín, 45 anos, é um ex-jogador olímpico de handball e os acordos feitos tinham relação com a organização de seminários sobre esportes e turismo.

Com Reuters e AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas