Chanceler italiano renuncia após extradição de marines para Índia

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Giulio Terzi afirmou que deixaria cargo em solidariedade a dois marines italianos acusados de matar pescadores indianos no litoral do Estado de Kerala

AP
Chanceler italiano Giulio Maria Terzi Di Sant'Agata concede entrevista coletiva na Irlanda (22/03/2013)

O ministro das Relações Exteriores da Itália renunciou ao cargo após a decisão do governo de extraditar dois marines para a Índia pelas mortes de dois pescadores no país. O chanceler Giulio Terzi anunciou a decisão nesta terça-feira (26) no Parlamento, acrescentando que ele deixaria o posto em solidariedade aos marines italianos e porque sua decisão de mantê-los na Itália foi indeferida.

Leia mais: Battisti leva vida modesta no Rio de Janeiro em apartamento emprestado

Em uma decisão surpreendente, a Itália decidiu extraditar na sexta-feira passada dois fuzileiros navais acusados de matar dois pecadores indianos, após intensas negociações durante mais de 24 horas em que o governo italiano obteve a promessa de Nova Délhi de que os militares não serão sentenciados à morte caso sejam condenados.

Mais sobre caso Battisti: Ministério Público questiona visto de Battisti e pede deportação

No Brasil: Cesare Battisti ganha documento para iniciar 'vida normal'

Os fuzileiros, membros de uma equipe de segurança militar enviada para proteger um navio-tanque de uma ameaça de pirataria em fevereiro do ano passado, são acusados de ter praticado o crime no litoral do Estado indiano de Kerala. Eles disseram que haviam disparado tiros de advertência contra um barco de pesca, acreditando se tratar de um navio pirata.

Os fuzileiros Salvatore Girone e Massimiliano Latorre voaram de volta para a Índia na sexta em um avião da Força Aérea Italiana. O vice-chanceler Staffan de Mistura viajou com eles. "Estamos felizes com o resultado que é consistente com a dignidade do processo judicial indiano", disse o premiê indiano, Manmohan Singh, na ocasião.

A Índia e a Itália travaram uma longa disputa diplomática sobre os fuzileiros navais, que foram autorizados a deixar a Índia para votar nas eleições italianas do mês passado, desde que retornassem até esta sexta-feira.

Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: índiaitáliaterziministrorenúnciaextradiçãomarines

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas