Presidente do Líbano aceita renúncia de primeiro-ministro

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Renúncia ocorreu após encontro ministerial que terminou com um impasse por uma disputa com o grupo xiita Hezbollah, que ajudou a colocar Najib Mikati no poder

AP
Primeiro-ministro do Líbano, Najib Mikati, deixa palácio em Beirute após anunciar sua renúncia

Reuters

O presidente libanês aceitou neste sábado (23) a renúncia do primeiro-ministro Najib Mikati, afirmou o ex-premiê, que pediu em seguida por um governo interino de "salvação" para assumir o país após um impasse político com o movimento Hezbollah.

Sexta: Primeiro-ministro do Líbano apresenta renúncia em meio a impasse político

Confrontos esporádicos foram reportados pelo terceiro dia seguido no país, que já luta para lidar com as consequências da violência e dos refugiados da Síria e sua guerra civil, três meses antes de uma já programada eleição parlamentar.

Mikati: Milionário apoiado pelo Hezbollah é designado premiê do Líbano

Disparos de atiradores de elite em Trípoli deixaram um morto e dois feridos, segundo relato de moradores.

A renúncia do premiê, anunciada na sexta-feira, ocorreu após um encontro ministerial de dois dias que terminou com um impasse por uma disputa com o grupo xiita Hezbollah, movimento militante e político que dominou o cenário libanês nos últimos anos e ajudou a colocar Mitaki no posto de primeiro-ministro após derrubar o governo anterior.

Há um ano: Levante na Síria completa um ano e ameaça se espalhar por região

2012: Premiê libanês oferece cargo após atentado mas é mantido

Outubro: Exército do Líbano faz apelo por cautela de políticos durante 'momento crítico'

Mitaki afirmou que entregou seu renúncia ao presidente Michel Suleiman. "Agora, é importante que o diálogo comece para que um governo de salvação seja estabelecido durante este difícil período", escreveu Mitaki em sua conta no Twitter. "Agradeço a Deus por ter deixado o posto da mesma forma que entrei: com integridade."

O Hezbollah se opôs a estender o mandato de uma importante autoridade de segurança, o general Ashraf Rifi, e à criação de um órgão de supervisão para as eleições de junho, que agora podem atrasar devido à queda do governo Mitaki.

NYT: Ao contrário dos EUA, Europa tem poucas restrições em relação ao Hezbollah

Cenário: Censores ganham novo poder no Líbano

Rifi, chefe das forças de segurança internas do Líbano, deve se aposentar no começo do próximo mês. Ele, como Mitaki, é um sunita de Trípoli, e não tem a confiança do Hezbollah.

Formar um governo interino pode demorar meses. De acordo com a divisão de poder libanesa, o primeiro-ministro precisa ser um muçulmano sunita, o presidente um cristão maronita e o presidente do Parlamento um muçulmano xiita.

Leia tudo sobre: líbanosuleimanhezbollahmikati

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas