Ataque israelense que matou 9 ativistas turcos prejudicou severamente laços entre as duas nações antes aliadas; telefonema mediado por Obama ajudou a refazer relações

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, anunciou nesta sexta-feira a restauração de relações diplomáticas normais com a Turquia depois de pedir desculpas pelas mortes de nove ativistas turcos em um  ataque israelense a uma flotilha humanitária internacional que tentava romper o bloqueio imposto à Faixa de Gaza em 2010.

Em 2011:  Netanyahu nega-se a pedir desculpas à Turquia por ataque

Imagens amadoras divulgadas por grupo que levava ajuda humanitária até a Faixa de Gaza mostram soldados israelenses a bordo de um dos barcos (31/05/2010)
AP
Imagens amadoras divulgadas por grupo que levava ajuda humanitária até a Faixa de Gaza mostram soldados israelenses a bordo de um dos barcos (31/05/2010)

Investigação: Relatório de Israel critica premiê por ataque à frota humanitária a Gaza em 2010

Netanyahu contou que expressou arrependimento pela operação durante um telefonema ao premiê turco, Recep Tayyip Erdogan. O presidente dos EUA, Barack Obama, ajudou a arranjar a ligação um pouco antes de deixar Israel .

O incidente da flotilha prejudicou severamente os laços entre as duas nações antes aliadas. A Turquia retirou seu embaixador de Israel , e laços diplomáticos e cooperação militar foram fortemente diminuídos.

Março: Disputa sobre sionismo aprofunda racha entre ex-aliados Israel e Turquia

Alegação: Premiê rejeita acusações de Erdogan de que Israel explora Holocausto

Netanyahu disse que os "resultados trágicos" não eram intencionais e que Israel "expressou remorso" pela perda de vidas. Segundo ele, houve "erros operacionais".

"Os EUA valorizam profundamente nossas parcerias estreitas com a Turquia e Israel, e damos grande importância para a restauração de relações positivas entre eles, a fim de promover a paz e a segurança na região", declarou Obama em um comunicado divulgado pela Casa Branca minutos antes de voar de Tel Aviv para a Jordânia no Força Aérea Um.

"Tenho esperança de que a troca de hoje entre os dois líderes vai lhes permitir engajar em uma cooperação mais profunda sobre essa questão e em uma série de outros desafios e oportunidades", acrescentou.

*Com AP e Reuters


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.