Coreia do Sul eleva alerta após ataque hacker a emissoras de TV e bancos

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Autoridades investigam origem do ataque que derrubou emissoras e bancos; polícia evita especular sobre Coreia do Norte, que tem aumentado tom de ameaças nas últimas semanas

Autoridades da Coreia do Sul investigam um ataque de hackers que derrubou os servidores de três emissoras de televisão e dois grandes bancos nesta quarta-feira (20). O Exército também elevou seu nível de alerta, devido a preocupações de envolvimento norte-coreano.

Leia também: Coreia do Norte acusa EUA de 'sabotagem' cibernética

Após ameaças: Coreia do Norte não pode cancelar armistício, diz Seul

AP
Bancários verificam um caixa automático em uma agência do Shinhan Bank depois de ciberataque nas redes de computadores em Seul, na Coreia do Sul

Jornal: Coreia do Norte anula armistício com Coreia do Sul

Os servidores das redes de televisão YTN, MBC e KBS foram afetados, assim como os banco Shinhan e NongHyupo, informaram a polícia e autoridades do governo. Ao menos alguns dos computadores afetados pelos ataques tiveram alguns arquivos deletados, de acordo com as autoridades.

"Enviamos equipes para todos os locais afetados. Estamos agora avaliando a situação. Este incidente é muito grande e vai levar alguns dias para recolhermos provas", disse um policial.

Reação: Coreia do Norte rejeita sanções da ONU e China pede diálogo

4ª rodada: ONU aprova novas sanções contra Coreia do Norte após 3º teste nuclear

Os bancos já restauraram suas operações, mas as emissoras de TV não puderam dizer quando seriam capazes de recuperar os sistemas novamente. Alguns funcionários das emissoras não conseguiam nem mesmo ligar seus computadores. As transmissões não foram afetadas.

O Exército da Coreia do Sul disse que não foi afetado pelo ataque, mas elevou seu estado de alerta como resposta. Nenhuma das refinarias de petróleo do país, centrais elétricas, portos ou aeroportos foram afetados.

Leia também: Coreia do Norte desafia ONU e realiza terceiro teste nuclear

Análise: O que motiva a corrida armamentista da Coreia do Norte?

Autoridades da polícia e do governo não quiseram especular se a Coreia do Norte, que ameaçou atacar tanto a Coreia do Sul como os Estados Unidos depois de ter sido atingida com sanções da ONU por seu teste nuclear de fevereiro, estava por trás do ataque cibernético.

A polícia diminuiu as expectativas de uma resposta rápida sobre uma eventual responsabilidade do Norte, que tem escolas de hackers da mesma forma que a aliada China. Um oficial disse que vai demorar mais do que o tempo normal de uma investigação de assassinato para se atribuir a responsabilidade.

Leia mais: Presidente da Coreia do Sul toma posse e faz exigência a Pyongyang

A Coreia do Norte já teve no passado como alvo de ataques cibernéticos jornais conservadores, bancos e instituições governamentais da Coreia do Sul.

As autoridades sul-coreanas disseram que o Woori Bank, outra importante instituição financeira local, também foi atacado na quarta-feira, mas não foi infectado.

Na semana passada, a Coreia do Norte reclamou de que seus próprios sites haviam sido hackeados, culpando os Estados Unidos por realizarem ataques cibernéticos destinados a "sabotar" o país.

China

Também nesta quarta, o presidente chinês, Xi Jinping, disse que estava disposto a promover o diálogo entre as Coreias, uma vez que a estabilidade na península também é do interesse de seu país.

Tecnologia: Google Maps divulga detalhes sobre território da Coreia do Norte

À presidente sul-coreana, park Heun-hye, ele afirmou que "a paz e a estabilidade na península coreana estão nos interesses vitais do povo da península e também do povo chinês".

O governo chinês é o único aliado diplomático e econômico da Coreia do Norte, mas as relações foram abaladas por causa das recentes ações belicosas norte-coreanas, incluindo a realização do terceiro teste nuclear.

O governo chinês uniu-se a uma nova rodada de sanções da ONU contra a Coreia do Norte este mês. Mas permanecem dúvidas sobre até quanto o país impõe restrições ao seu vizinho, visto tanto como um embaraço, como uma proteção estratégica contra a influência dos EUA na região.

Com Reuters

Leia tudo sobre: coreia do sulcoreia do norteataqueciberataquebancotvchina

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas