Em missa inaugural, papa Francisco pede proteção aos pobres e ao meio ambiente

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Pontífice recebe anel do pescador, símbolo do papa; antes da missa de entronização, papa se aproximou de multidão reunida na Praça de São Pedro, no Vaticano

AP
Papa Francisco celebra sua missa de entronização na Praça de São Pedro, no Vaticano

O papa Francisco pediu aos príncipes, presidentes, xeques, e centenas de fiéis reunidos para sua missa de entronização nesta terça-feira (19) que protejam o meio ambiente, os mais fracos e os mais pobres. Com sua homilia, o papa Francisco destacou os temas que deve priorizar durante seu período como líder de 1,2 bilhão de católicos.

Leia mais: Católicos em festa para posse de primeiro papa latino-americano

Ângelus: Descontraído, papa prega perdão na primeira aparição da janela do Vaticano

O argentino é o primeiro papa jesuíta e da América Latina e o primeiro a adotar o nome de Francisco, uma homenagem a São Francisco de Assis, santo italiano que abdicou de uma vida de luxo para se dedicar à natureza e aos pobres. Ele afirmou também que um pouco de ternura "pode abrir um horizonte de esperanças".

Primeiro dia: Francisco dispensa carro oficial e reza em basílica de Roma

Habemus papam: Argentino Bergoglio é eleito papa e adota nome de Francisco

Julho: Papa Francisco deve ter quatro eventos na Jornada Mundial no Rio

O pontífice foi interrompido por aplausos diversas vezes durante sua homilia, principalmente quando falou sobre a necessidade de proteger o meio ambiente, servir uns aos outros com amor e ternura e não permitir que "presságios de destruição", inveja, ódio e orgulho "contaminem nossas vidas".

Francisco disse que o papel do papa é abrir seus braços e proteger toda a humanidade, mas "especialmente os mais pobres, os mais fracos, os menos importantes, aqueles a quem Mateus lista no julgamento final sobre o amor: o faminto, o sedento, o estranho, o nu, o doente e aqueles na prisão."

Livro: Dúvidas sobre passado minaram chances de Bergoglio ser papa em 2005

Saiba mais: Entenda acusações contra atuação do papa Francisco na ditadura argentina

"Hoje em meio a tanta escuridão precisamos ver a luz de esperança e sermos homens e mulheres que trazem esperança para os outros", disse. "Proteger a criação, proteger cada homem e cada mulher, olhar por eles com ternura e amor, é abrir um horizonte de esperança, é deixar um raio de luz atravessar nuvens pesadas."

Francisco entusiasmou a multidão no início da missa dando uma longa volta pela praça e saindo do seu papamóvel para abençoar um homem inválido. Foi um gesto de um prelado cujo curto período no papado já vem se definindo pela espontaneidade e preocupação com os mais desfavorecidos.

As bandeiras azuis e brancas da Argentina eram as mais presentes em meio a multidão, estimada, segundo a mídia italiana, em 1 milhão. O Vaticano disse que o número real de fiéis reunidos foi entre 150 mil e 200 mil. Guardas fecharam as principais ruas que levam até a praça e montaram barricadas por quase dois quilômetros ao longo do caminho para tentar controlar as massas e permitir que as delegações oficiais passassem.

Habemus papam: Argentino Bergoglio é eleito papa e adota nome de Francisco

Antes de a missa começar, Francisco recebeu o anel do pescador, simbolizado o papado, e o pálio de lã simbolizando o papel do pastoreio do rebanho de fiéis. Ele também recebeu votos de obediência de meia duzia de cardeais - um símbolo importante, uma vez que seu predecessor, Bento 16, está vivo.

Um cardeal entoou o rito de inauguração dizendo: "O Bom Pastor deu a Pedro a tarefa de alimentar seus cordeiros e suas ovelhas; hoje você o sucede como bispo dessa Igreja."

Perfil: Francisco é o primeiro papa da América Latina

Time do coração: Filho de jogador de basquete, papa Francisco torce para o San Lorenzo

Cerca de 130 delegações oficiais participaram da missa, incluindo seis chefes de Estado da América Latina, como a presidenta brasileira Dilma Rousseff. Também compareceram a chanceler alemã, Angela Merkel; o vice-presidente dos EUA, Joe Biden; a presidenta argentina, Cristina Kirchner; o presidente de Taiwan, Ying-Jeou Ma; o presidente do Zimbabwe, Robert Mugabe; o príncipe Albert de Mônaco e o príncipe do Bahrein, xeque Abdullah bin Haman bin Isa Alkhalifa, entre outros.

Francisco também dirigiu-se aos líderes em sua homilia, dizendo: "Gostaria de pedir a todos os que tem posições de responsabilidade na economia, política, e vida social, e todos os homens e mulheres de boa vontade: deixe-nos sermos os protetores da criação, os protetores dos planos de Deus na natureza, protetores uns dos outros e do meio ambiente."

Leia mais: Manifestações de apoio e repúdio a papa Francisco dividem argentinos

Entre os líderes religiosos presentes estava o líder espiritual dos cristãos ortodoxos, Bartolomeu 1º, que se tornou o primeiro patriarca da Igreja de Istambul a participar de uma inauguração papal desde que o Grande Cisma do Oriente, há cerca de mil anos. Também participou pela primeira vez o chefe dos rabinos de Roma. A presença deles resalta a esperança para o diálogo inter-religioso.

Francisco destacou seu estilo simples desde o momento em que fez sua primeira aparição ao mundo na varanda da Basílica de São Pedro, dispensando a estola vermelha e usando apenas a batina branca. Depois, pagou a própria conta no hotel em que ficou hospedado antes do início do conclave, que o elegeu como papa.

Com AP

Leia tudo sobre: papa franciscoconclaveigreja católicavaticano

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas