China passa Grã-Bretanha como 5º maior exportador de armas, diz relatório

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Vendas chinesas cresceram 162% entre 2008 e 2012; Paquistão é o maior comprador

Reuters

A China tornou-se o quinto maior exportador de armas do mundo, sua posição mais alta no ranking desde a Guerra Fria, com o Paquistão sendo seu principal comprador, informou nesta segunda-feira  o Instituto Internacional de Estudos para Paz de Estocolmo (Sipri, na sigla em inglês), respeitado centro de estudos sueco.

O volume de exportações de armas da China entre 2008 e 2012 cresceu 162%, em comparação com o período de cinco anos anterior, com sua participação no comércio mundial de armas passando de 2 por cento para 5 por cento, mostra o estudo.

Guerra: EUA podem reconsiderar armar rebeldes sírios enquanto Assad se agarra ao poder

A China substitui a Grã-Bretanha entre os cinco primeiros países que mais comercializam armas entre 2008 e 2012. Estados Unidos e Rússia, que são responsáveis por 30% e 26%, respectivamente, das exportações de armas, são os maiores exportadores mundiais do setor, segundo o Sipri.

"A China está se estabelecendo como um significativo fornecedor de armas para um número crescente de importantes Estados beneficiários", disse o diretor do Programa de Transferências de Armas do Sipri, Paul Holtom, em um comunicado.

Regras: Países se reúnem para negociação final sobre tratado de armas da ONU

A mudança, destacada no Relatório de Tendências na Transferência Internacional de Armas do centro de estudos, marca pela primeira vez a China como um dos cinco maiores exportadores de armas desde o período entre 1986 e 1990 analisado pelo Sipri.

O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores chinês Hong Lei, quando questionado sobre o relatório, disse que a China era um exportador de armas responsável que cumpria rigorosamente a lei internacional.

Condenação: Ex-presidente argentino Menem é condenado por tráfico de armas

"Na exportação de armas, a China adota três princípios. Primeiro, que seja favorável às necessidades justificáveis de autodefesa do país destinatário. Segundo, que não prejudique a paz, segurança e estabilidade regional e global. Terceiro, que não interfira nos assuntos internos de outros países", disse ele a repórteres.

O Sipri mantém uma base de dados global de transferências de armas que registra as exportação de armas desde 1950. O centro avalia os dados em um período de cinco anos, porque a venda de armas varia por ano.

Alemanha e França ficaram em terceiro e quarto lugares na lista de exportadores de armas.

Leia tudo sobre: ArmasComérico internacionalarmamentodesarmamentoChinaPaquistão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas