Cardeal brasileiro brincou que 'as cotações prévias foram todas para o espaço' e saudou o pontífice Francisco, primeiro papa jesuíta e latino-americano

O cardeal brasileiro Dom Odilo Scherer , apontado antes do conclave como um dos principais favoritos para a eleição do papa, afirmou nesta quinta-feira (14) que não havia entrado na Capela Sistina esperando ser eleito. "Tenho os pés no chão", afirmou o arcebispo de São Paulo durante entrevista coletiva nesta quinta-feira ao lado dos outros quatro cardeais brasileiros que participaram do conclave.

Coletiva: Novo papa 'vive seu nome franciscano', dizem cardeais brasileiros

Cardeal brasileiro Odilo Scherer é seguido pelo compatriota cardeal Geraldo Magella Agnelo na chegada ao encontro no Vaticano (4/3)
AP
Cardeal brasileiro Odilo Scherer é seguido pelo compatriota cardeal Geraldo Magella Agnelo na chegada ao encontro no Vaticano (4/3)

Brasileiro cotado: Irmão diz sentir alívio por Dom Odilo não ser o novo papa

Nas principais casas de apostas britânicas , o nome de Scherer aparecia na véspera do conclave como o segundo ou terceiro mais cotado entre os apostadores, enquanto o cardeal Jorge Mario Bergoglio , agora papa Francisco , não aparecia nem entre os dez favoritos.

Habemus papam: Argentino Bergoglio é eleito papa e adota nome de Francisco

Perfil: Saiba quem é o cardeal Jorge Bergoglio, o papa Francisco

"As cotações prévias foram todas para o espaço", brincou Scherer, para depois destacar que as previsões não tinham ligação com a realidade. "Eu lhe pergunto: com que critério foram feitos esses cálculos? Foram cálculos humanos, mas a Igreja não é feita só de cálculos humanos."

Ele afirmou ter enfrentado a pressão da imprensa antes do conclave com "tranquilidade".

Após escândalos: Nome Francisco indica desejo de renovação da Igreja Católica

Fumaça branca sai da Capela Sistina: Igreja tem novo papa

O cardeal argentino Jorge Bergoglio foi eleito como o sucessor de Bento 16 - primeiro papa a renunciar em quase 600 anos . Primeiro papa jesuíta e latino-americano, foi o primeiro a também adotar o nome de Francisco, em referência a São Francisco de Assis, santo italiano que renunciou a uma vida de luxo e riqueza para dedicar-se aos mais pobres.

'Sopro vital'

Durante a entrevista, Scherer elogiou a escolha do novo papa. "Depois de 500 anos ( da existência da Ordem dos Jesuítas ), é um papa jesuíta, com coração franciscano ", afirmou. Ele brincou ainda ao dizer que na região da Patagônia, ao sul da Argentina, venta muito, e que a Igreja foi buscar seu "sopro vital" num lugar distante como a Argentina.

Votos: Dilma felicita novo papa e diz que fiéis o aguardam no Rio de Janeiro em julho

Mudança: Sociólogo diz que novo papa é 'virada de página na história da Igreja'

Veja imagens da eleição do papa Francisco:

Questionado se houve algum enfrentamento entre grupos de cardeais conservadores e progressistas durante o conclave, Scherer afirmou: "Em nenhum momento identifiquei, tanto nas congregações gerais (reuniões pré-conclave) quanto no conclave, nenhum partido, de esquerda ou de direita". "O conclave ocorreu em clima de oração, de serenidade e de responsabilidade."

Scherer afirmou ainda que não teve contato com seus familiares no Brasil durante o conclave e brincou que se eles tivessem participado da eleição, ele teria sido escolhido.

Com BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.