Líderes mundiais dão boas-vindas ao novo papa Francisco

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidentes de potências como Estados Unidos, Grã-Bretanha e França mandam seus cumprimentos ao Vaticano. Na América Latina, o povo comemora nas ruas

AP
Pessoas com bandeiras do Vaticano e da Argentina comemoram a escolha do papa Francisco na frente da Catedral Metropolitana de Buenos Aires

Os líderes mundiais mandaram seus parabéns, enquanto católicos por todo mundo celebravam nesta quarta-feira (13) a eleição do cardeal argentino Jorge Bergoglio como o novo papa Francisco - fazendo dele o primeiro pontífice do continente americano.

Habemus papam: Argentino Bergoglio é eleito papa e adota nome de Francisco  

Momentos depois que a decisão foi anunciada, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama expressou "votos calorosos" ao papa Francisco 1º e disse em comunicado que sua escolha reflete a força e vitalidade das Américas.

Fumaça branca sai da Capela Sistina: Igreja tem novo papa

Galeria de fotos: Veja as imagens da eleição do novo papa 

"Em nome do povo americano, Michelle e eu oferecemos nossos votos calorosos à sua Santidade Papa Francisco," disse Obama. "Como campeão dos pobres e mais vulneráveis entre nós, ele transmite a mensagem de amor e compaixão que inspira o mundo há mais de 2.000 anos". O vice-presidente Joe Biden, católico praticante, liderará a comitiva americana para a posse do papa.

Time do coração: Filho de jogador de basquete, papa torce para o San Lorenzo 

O primeiro-ministro britânico David Cameron e o presidente da França François Hollande também mandaram seus parabéns ao novo papo. Esta quarta-feira foi "um dia significativo para o 1,2 bilhão de católicos no mundo," disse Cameron no Twitter. A chanceler alemã Angela Merkel, filha de um pastor luterano, disse que milhões de católicos e não-católicos estariam buscando no papa orientação não só em questões de fé, mas também de paz, justiça e proteção da criação.

Brasil: Dilma felicita novo papa e diz que fiéis o aguardam no Rio de Janeiro em julho

Angela disse estar particularmente feliz pelos cristãos na América Latina, que tinham seu próprio papa pela primeira vez.


Veja a trajetória do papa Francisco: 

Papa Francisco coloca suas vestes de papa após anúncio de seu nome na varanda da Basílica de São Pedro, no Vaticano, em 13 de março de 2013. Foto: APCardeal argentino Jorge Bergoglio fala com fiéis do lado de fora da Igreja de San Cayetano em Buenos Aires em 7 de agosto de 2009. Foto: APCardeal argentino Jorge Bergoglio realiza missa do lado de fora da Igreja San Caetano em Buenos Aires em 7 de agosto de 2009. Foto: APEntão papa Bento 16 aperta as mãos do arcebispo de Buenos Aires Jorge Bergoglio em 13 de janeiro de 2007. Foto: APCardeal argentino Jorge Bergoglio celebra missa em honra ao papa João Paulo 2º na Catedral de Buenos Aires, em 4 de abril de 2005. Foto: APFoto dos anos 1950 mostra Jorge Mario Bergoglio, direita, posa com colegas de escola preparatória em Buenos Aires, Argentina. Foto: AP


O secretário-geral da ONU Ban Ki-moon disse que estava ansioso para cooperar com a Santa Sé sob a "sábia liderança" do para Francisco, enquanto os líderes da União Europeia Herman Van Rompuy e José Manuel Barroso desejam ao novo chefe da Igreja Católica "um pontificado longo e abençoado".

Mudança: Para líderes católicos no Brasil, escolha do novo papa significa 'abertura'

Os líderes da América Latina estavam em festa, com o povo comemorando e chorando nas ruas em Buenos Aires. "É inacreditável!", disse Martha Ruiz, 60 anos, que chorava nas ruas da capital argentina. Ela afirmou já ter participado de reuniões com o cardeal e afirmou "É um homem que transmite muita serenidade".

O frei franciscano Jose Antonio Cruz, da igreja de São Francisco de Assis em Porto Rico, também comemorava: "É um grande presente para nós latino-americanos. Esperamos 20 séculos. Valeu a espera".

No Twitter: 'Habemus Papam Franciscum' é compartilhado por milhares

Olé: Diário esportivo compara Francisco a Maradona

Até a Cuba comunista exibiu seu orgulho, com sinos da igreja soando para celebrar a notícia.

Apesar disso, nem todos encararam a notícia com otimismo. O analista Andrew Reding, do World Policy Institute em Nova York, disse que a escolha de Bergoglio era um exemplo de mudanças superficiais: "Mais uma vez, o conclave ousou geograficamente, escolhendo um conservador da doutrina," disse. "Para parafrasear um velho ditado, quanto mais as coisas mudam na Igreja Católica, mais elas continuam iguais".

(Com informações da AP)

Leia tudo sobre: conclavefranciscobergogliopapanovo papa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas