Escolha de novo papa provoca surpresa e buzinaço na Argentina

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Entre júbilo e lágrimas, católicos correram para as igrejas em Buenos Aires após anúncio da eleição do cardeal argentino Jorge Bergoglio como sucessor de Bento 16

A eleição do cardeal Jorge Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, como o novo papa causou surpresa entre os argentinos. Houve buzinaços na capital da Argentina assim que as emissoras de televisão locais informaram que o cardeal, de 76 anos, era o novo pontífice, e que passaria a adotar o nome de Francisco.

Em júbilo, católicos argentinos correram para as igrejas após o anúncio da eleição do papa. Muitos manifestaram a esperança de que ele consiga promover mudanças em uma instituição em crise.

Habemus papam: Argentino Bergoglio é eleito papa e adota nome de Francisco

Perfil: Saiba quem é o cardeal Jorge Bergoglio, o papa Francisco

AP
Argentinos agitam bandeira do país em frente a Catedral Metropolitana em comemoração à eleição do papa Francisco

Simbologia: Após escândalos, nome Francisco indica desejo de renovação da Igreja

"Espero que ele mude todo o luxo que existe no Vaticano, que guie a Igreja numa direção mais humilde, algo mais próximo do evangelho", disse o procurador aposentado Jorge Andrés Lobato, de 73 anos.

"Isso é uma bênção para a Argentina", gritava uma mulher nas ruas do centro de Buenos Aires. Nas igrejas, muita gente chorava. Poucos argentinos apostavam na escolha de Bergoglio, um jesuíta conhecido por sua vida ascética e por dedicação aos pobres.

Repercussão: Líderes mundiais dão boas-vindas ao novo papa Francisco

Esclarecimento: Nome do novo papa não tem numeral romano

Em poucos minutos, difundiu-se pelo Twitter a frase "La mano de dios, otra vez", em uma referência à famosa "mão de Deus" que Diego Maradona disse ter usado para marcar um gol irregular - mas validado - contra a Inglaterra na Copa de 1986.

A presidente do país, Cristina Kirchner, cumprimentou o papa Francisco e desejou a ele um bom período no pontificado. "É nosso desejo que tenha, ao assumir a condução e guia da Igreja, uma frutífera tarefa pastoral desempenhando responsabilidades tão grandes para com a justiça, a igualdade, a fraternidade e a paz da humanidade", disse a mandatária em carta publicada em sua conta na rede social Twitter.

Brasil: Dilma felicita novo papa e diz que fiéis o aguardam no Rio de Janeiro em julho

Esportes: Filho de jogador de basquete, papa Francisco torce para o San Lorenzo

As relações entre Cristina e o arcebispo de Buenos Aires, entretanto, tiveram momentos de profunda tensão. Quando Bergoglio afirmou que adoções por casais gays discriminam as crianças, a presidente comparou seu tom ao dos "tempos medievais e da Inquisição".

Depois, ela parou de participar do anual discurso "Te Deum", quando os líderes da Igreja tradicionalmente falam aos líderes políticos sobre o que está errado com a sociedade.

Bergoglio, que defende o diálogo em vez do dogma como solução para os problemas da Igreja, usou seu primeiro pronunciamento como pontífice para se referir de forma bem humorada à posição remota do seu país no mapa-múndi. Segundo ele, os cardeais participantes do conclave "foram até o fim do mundo" para encontrá-lo.

Leia mais: Sociólogo diz que novo papa é 'virada de página na história da Igreja'

Ele será o primeiro papa a usar o nome Francisco, e o primeiro não-europeu desde o sírio Gregório 3º, que pontificou no século 8º.

A eleição de Bergoglio, após pouco mais de 24 horas de conclave, surpreendeu os especialistas, que previam um processo mais demorado em virtude do grande número de cardeais apontados como favoritos para suceder a Bento 16, que renunciou em fevereiro.

CNBB: Novo papa é homem muito simples e próximo ao povo

Conectado: No Twitter, 'Habemus Papam Franciscum' é compartilhado por milhares

Como papa, ele precisará enfrentar desafios colossais, como os abusos sexuais cometidos por clérigos contra menores nas últimas décadas em vários países, e o recente vazamento de documentos que mostravam casos de corrupção e disputas internas na Cúria Romana, a burocracia do Vaticano.

Ele também comandará uma instituição abalada pelo avanço do secularismo e de religiões concorrentes em diversas regiões, e suspeitas de corrupção no Banco do Vaticano. Acredita-se que todos esses foram fatores que contribuíram para a abdicação de Bento 16, que alegou não ter mais condições físicas para comandar a Igreja.

Com AP, Reuters e BBC

Leia tudo sobre: vaticanopapa franciscobergoglioargentinaigreja católica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas