Duas ativistas traziam a frase: "papa, não" nas costas; mais cedo, manifestantes exigiam papel maior para as mulheres na hierarquia da Igreja Católica

A polícia deteve duas mulheres que mostraram os seios em um rápido protesto na Praça de São Pedro, do lado de fora do Vaticano, nesta terça-feira (12), depois que os cardeais se fecharam na Capela Sistina para iniciar o conclave , processo de eleição de um novo papa.

Testemunhas disseram que ao menos duas mulheres participaram do protesto. Uma delas trazia a frase: "Papa, não" escrita nas costas. A identidade das mulheres que realizaram o protesto nesta terça-feira não estava imediatamente disponível. Policiais no local recusaram-se a dar detalhes.

Fumaça preta: Primeira votação de conclave termina sem eleição de novo papa

Feminista é detida por policiais após protestar contra o papa na Praça São Pedro durante o conclave (12/03/2013)
AP
Feminista é detida por policiais após protestar contra o papa na Praça São Pedro durante o conclave (12/03/2013)

Antes do conclave: Cardeal decano pede 'unidade' em missa

Mais cedo, manifestantes exigindo um papel maior para as mulheres na Igreja Católica também se manifestaram, acendendo uma chama de fumaça rosa em uma colina do Vaticano. Imitando os tradicionais sinais de fumaça da Capela Sistina - branca para um novo pontífice e negra para uma votação inconclusiva -, as mulheres também usaram trajes rosa e crachás onde se lia "Ordenem Mulheres".

Algumas mulheres argumentam que já desempenham um papel importante na Igreja, ensinando e cuidando de jovens católicos e fazendo grande parte do trabalho missionário, enquanto outras dizem que a exclusão de papéis mais importantes e a proibição da ordenação de mulheres estão ultrapassadas.

Enteda as regras: Saiba como funciona o conclave

Perfil: Cardeais procuram 'papa Rambo 1º': deve ter charme magnético e determinação

Cenário: Conservadorismo de Bento 16 e João Paulo 2º deve ser mantido por futuro papa

"O atual clube de meninos velhos deixou nossa Igreja atordoada por causa dos escândalos, abusos, sexismo e opressão", disse a diretora da Conferência de Ordenação das Mulheres, Erin Saiz Hanna, um grupo pequeno reunido na colina Janiculum, acima da Praça São Pedro.

"As pessoas da Igreja estão desesperadas por um líder que seja aberto ao diálogo e abrace os talentos da sabedoria feminina em todos os níveis da Igreja", disse.

O Vaticano diz que as mulheres não podem ser ordenadas sacerdotes porque Jesus Cristo escolheu de bom grado apenas homens como seus apóstolos. Defensores do sacerdócio feminino dizem que Jesus estava apenas cumprindo os costumes de sua época.

Artigo: Para cardeais, conclave é evento místico

Legado: Papa de 'transição', Bento 16 enfatizou resgate da tradição católica

O protesto de terça-feira em Roma seguiu um comício de fumaça rosa em Nova Orleans no final de semana, com eventos similares planejados em cidades dos Estados Unidos nos próximos dias.

No ano passado, o papa Bento 16 reafirmou a proibição da Igreja a sacerdotes mulheres e disse que não toleraria desobediência de clérigos nos ensinamentos básicos. Sob a sua liderança, o Vaticano reprimiu os defensores da ordenação feminina.

10 perfis: Veja quem são os cardeais mais cotados para ser o novo papa

Mas alguns cardeais que participam do conclave defenderam a necessidade de rever o papel das mulheres na Igreja e as posições de liderança abertas a elas.

O cardeal argentino Leonardo Sandri, de 69 anos, disse à Reuters neste mês que as mulheres devem ter um papel muito mais importante na vida da Igreja e serem capazes de contribuir em áreas que agora estão abertas apenas aos homens.

Subsecretárias

Atualmente, as mulheres, a maioria delas freiras, só podem chegar ao posto de subsecretária em departamentos do Vaticano, o posto número 3, abaixo do presidente e do secretário. Hoje em dia, apenas duas mulheres são subsecretárias: a Irmã Nicoletta Vittoria Spezzati e a leiga Flaminia Giovalnelli.

Arcebispo de Milão: Favorito, italiano Scola adapta discurso para atrair jovens à Igreja

Arcebispo de S. Paulo: Cotado para papa, brasileiro mescla modernidade e tradição

Spezzati ocupa o posto no departamento para ordens religiosas do Vaticano, que é administrado pelo cardeal brasileiro João Braz de Aviz.

Ele vem desempenhando um papel de mediador depois que o Vaticano repreendeu, no ano passado, freiras norte-americanas por não fazerem o bastante para combater o aborto e o casamento gay.

Veja imagens do conclave:

Ele também recebeu crédito por ter amenizado a mão pesada de seu antecessor no departamento que havia reclamado sobre liberalizar tendências na Igreja. Giovanelli trabalha para o Conselho Pontifício para a Justiça e a Paz, sob a liderança do cardeal Peter Turkson, de Gana, o principal candidato africano a papa.

Arcebispo de Milão: Favorito, italiano Scola adapta discurso para atrair jovens à Igreja

Arcebispo de S. Paulo: Cotado para papa, brasileiro mescla modernidade e tradição

Algumas mulheres, cansadas de esperar que as regras mudem, decidiram agir por conta própria. A Associação de Sacerdotes Mulheres Católicas Romanas (ARCWP, na sigla em inglês) diz que hoje existem mais de 124 sacerdotes mulheres e 10 bispas no mundo todo, embora o Vaticano as considere excomungadas.

Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.