Cardeal decano pede 'unidade' em missa antes do início do conclave

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Angelo Sodano realizou celebração na Basílica de São Pedro, no Vaticano, antes de os 115 cardeais eleitores entrarem na Capela Sistina para escolher o sucessor de Bento 16

Os cardeais ouviram um pedido final por unidade nesta terça-feira (12) antes de se trancafiar na Capela Sistina para o conclave que elegerá o próximo papa. Os príncipes da Igreja celebraram a missa "Pro Eligendo Romano Pontífice" nesta manhã em meio às divisões e incertezas de quem será o líder de 1,2 bilhão de católicos nesses tempos de crise.

Um canto gregoriano ecoou enquanto os 115 cardeais eleitores entravam na Basílica de São Pedro usando suas vestimentas vermelhas, muitos mantendo o olhar severo diante da responsabilidade que pesa sobre eles.

Veja o especial do iG sobre o conclave

Reuters
Cardeais eleitores participam de missa que abre o conclave que elegerá novo papa na Basílica de São Pedro, no Vaticano

Perfil: Cardeais procuram 'papa Rambo 1º': deve ter charme magnético e determinação

Cenário: Conservadorismo de Bento 16 e João Paulo 2º deve ser mantido por futuro papa

Algumas centenas de fiéis enfrentaram chuvas e trovoadas para assistir à missa pelos telões na Praça São Pedro, no Vaticano. Em sua homília, o cardeal Angelo Sodano, decano do Colégio dos Cardeais, pediu unidade dentro da Igreja, um apelo aos cardeais eleitores para que coloquem suas diferenças de lado pelo bem da Igreja e do próximo papa.

"Cada um de nós é, portanto, chamado a cooperar com o Sucessor de Pedro, o fundamento visível de tal unidade eclesiástica", disse Sodano.

Perspectiva: Futuro papa terá de 'purificar' Igreja Católica antes de adotar agenda positiva

Ele foi interrompido por aplausos vindo dos bancos, não dos cardeais, quando se referiu ao "amado e venerado" Bento 16 e seu "brilhante" pontificado. Sentado na primeira fila estava o assessor mais próximo de Bento 16, o arcebispo Georg Gaenswein.

A renúncia de Bento 16 - a primeira de um papa em cerca de 600 anos - tumultuou a Igreja e expôs as profundas divisões entre os cardeais que se dividem entre aqueles que querem um papa que purifique a burocracia disfuncional do Vaticano e aqueles que preferem um pastor que possa inspirar os católicos em um tempo de perda de fiéis.

Artigo: Para cardeais, conclave é evento místico

Legado: Papa de 'transição', Bento 16 enfatizou resgate da tradição católica

Por uma semana, os cardeais se encontraram a portas fechadas no Vaticano para tentar identificar quem, entre eles, teria o perfil para o papado e quais deveriam ser suas prioridades. Mas o debate de segunda-feira chegou ao fim com perguntas que ficaram sem respostas.

"Vamos rezar para os cardeais que devem eleger o pontífice romano", dizia uma das orações durante a missa. "Que Deus os preencha com seu Espírito Santo com compreensão e bons conselhos, sabedoria e discernimento."

Em seu último programa de rádio antes de ficar no isolamento do conclave, o cardeal americano Timothy Dolan disse que uma certa calma tomou conta dele, como se "essa gentil chuva romana seja um sinal da graça do Espírito Santo caindo sobre nós."

10 perfis: Veja quem são os cardeais mais cotados para ser o novo papa

AP
Cardeal Timothy Dolan acena aos jornalistas antes de ir a Casa Santa Marta, hotel no Vaticano onde os cardeais ficam hospedados durante o conclave

Ele disse que ao menos se sentiu mais tranquilo em relação à tarefa que tem nas mãos. "Há uma consciência de resignação e conformidade com os planos de Deus. É magnífico", disse durante seu programa de rádio "O Canal Católico", na SiriusXM.

"É quase um microcosmo da própria vida, você sabe como tentou fazer as decisões certas, em conformidade com as vontades de Deus. E eu acho que é isso o que está acontecendo agora. Espero vê-los em breve."

Arcebispo de Milão: Favorito, italiano Scola adapta discurso para atrair jovens à Igreja

Arcebispo de S. Paulo: Cotado para papa, brasileiro mescla modernidade e tradição

Uma fiel que estava na Praça São Pedro fez uma alusão ao grande desafio que o novo pontífice encarará. "É um momento de crise para a Igreja, então temos que mostrar nosso apoio ao novo papa", disse Verônica Herrera, uma agente imobiliária do México que viajou para a Roma para o conclave com seu marido e sua filha.

Apesar da seriedade do momento, a sobriedade ainda não preponderou no Vaticano. É esperado que o jogador de basquete Dennis Rodman chegue na Praça São Pedro nesta quarta-feira em um papamóvel improvisado para a campanha que ele faz em favor do cardeal Peter Turkson, de Gana. Se eleito, Turkson seria o primeiro papa negro da Igreja.

Nenhum dos cardeais assistira à aparição de Rodman, uma vez que eles estarão isolados pelas paredes do Vaticano, podendo apenas ir do hotel até a Capela Sistina e da Capela Sisitina até o hotel até a eleição do 266º papa. 

Agenda

Durante a tarde, os cardeais entrarão na Capela Sistina cantando a Ladainha dos Santos, um canto hipnótico implorando a intermediação dos santos para ajudá-los a escolher um papa. Eles ouvirão uma meditação feita pelo cardeal mais velho, farão o juramento de segredo e podem, em seguida, votar.

Desafios: Disputas, rivalidades e traições do Vaticano aguardam próximo papa

NYT: Novo papa vai liderar Igreja ameaçada por escândalos e avanço protestante

Se eles votarem, os primeiros sinais de fumaça devem sair da chaminé da capela às 20h do horário local (16h em Brasília) - se a fumaça for preta, é sinal de que não há um novo papa; se branca, significa que o novo pontífice foi escolhido.

Enquanto poucos esperam que o papa seja eleito na primeira rodada de votação, o Vaticano já está preparado: Na sala das lágrimas, adjacente à Capela Sistina, onde o papa vai imediatamente após sua eleição, três tamanhos de vestes estão preparados. Embaixo delas, sete caixas de sapato estão empilhadas - considerando os vários tamanhos possíveis de pés que podem ser eleitos. A sala tem esse nome pelo peso da responsabilidade e confiança exigida do novo pontífice.

Infográfico 1: Saiba como funciona o conclave para escolha do novo papa

Infográfico 2: Saiba mais sobre as vestimentas do papa

O alfaiate papal Gammareli entregou as roupas na segunda-feira (11) para garantir que o recém-eleito papa possa se trocar imediatamente assim que aceitar sua eleição. Com as palavras "Habemus Papam" - ou "temos um papa" - o pontífice aparece na varanda da Basílica de São Pedro para acenar à multidão pela primeira vez.

O conclave acontece em meio a incertezas e convulsões: não há um favorito claro, não há indicação de quanto tempo a votação deverá durar e nenhuma chance de que um único homem consiga reunir todas as características necessárias a um papa nesse momento.

Leia também: Renúncia de Bento 16 torna futuros papas mais sujeitos à pressão dos críticos

Foto fornecida pelo jornal do Vaticano L'Osservatore Romano mostra papa Francisco celebrando missa com cardeais na Capela Sistina (14/03). Foto: APPor telão na Praça de São Pedro, pessoas acompanham missa inaugural do papa Francisco com cardeais na Capela Sistina, no Vaticano (14/03). Foto: APRecém-eleito papa, Francisco celebra missa com cardeais na Capela Sistina (14/03). Foto: ReutersPapa Francisco celebra sua missa inaugural com os cardeais dentro da Capela Sistina, no Vaticano (14/03). Foto: APBatina do papa recém-eleito Francisco voa com o vento na porta da Basílica de Santa Maria Maior, em Roma (14/03). Foto: ReutersPapa Francisco deposita flores no altar dentro da Basílica de Santa Maria Marior, em Roma (14/03). Foto: APPapa Francisco fala aos fiéis no Vaticano. Ele foi eleito no segundo dia de conclave (13/03). Foto: APFiéis tentam registrar com tablets e celulares o anúncio do novo papa, no Vaticano (13/03). Foto: APFiéis acompanham a primeira benção do papa Francisco 1º (13/03). Foto: ReutersFrancisco 1º é o nome pelo novo papa, o cardeal Jorge Bergoglio, da Argentina. Foto: APProtodiácono francês Jean-Louis Pierre Tauran anuncia identidade do novo papa: cardeal Jorge Bergoglio, da Argentina (13/03/2013). Foto: APCardeal francês Jean-Louis Tauran aparece na janela e diz "Habemus Papam", que significa 'Temos Papa' em latim (13/03). Foto: ReutersFiéis comemoram escolha do novo papa após badalar dos sinos na Praça de São Pedro, no Vaticano (13/03). Foto: ReutersFiéis comemoram escolha do novo papa após badalar dos sinos na Praça de São Pedro, no Vaticano (13/03/2013). Foto: ReutersFiéis aguardam com ansiedade pelo anúncio do nome do novo papa da Igreja Católica na Praça de São Pedro, Vaticano (13/03/2013). Foto: APMultidão celebra após chaminé da Capela Sistina expelir fumaça branca na Praça de São Pedro, no Vaticano (13/03/2013). Foto: APMultidão de fiéis vê fumaça branca saindo da chaminé da Capela Sistina na Praça de São Pedro no Vaticano (13/03/2013). Foto: APFumaça branca sai da chaminé da Capela Sistina, indicando que um novo papa foi eleito (13/03/2013). Foto: APMulher segura terço enquanto espera votação de novo papa no segundo dia do conclave no Vaticano (13/03). Foto: APFumaça preta emerge da chaminé da Capela Sistina na manhã desta quarta-feira no Vaticano. Foto: APVisitantes se reúnem na Praça de São Pedro enquanto os cardeais se reúnem em conclave papal no Vaticano (13/03). Foto: APVisitantes esperam que fumaça saia pela chaminé da Capela Sistina na Praça de São Pedro (13/03). Foto: APHomem descalço ajoelha em prece na Praça de São Pedro durante conclave dos cardeais (13/03). Foto: APFreiras caminham pelas Colunas Bernini na Praça de São Pedro no segundo dia do conclave (13/03). Foto: APPeregrinos carregam cruz através da Praça de São Pedro enquanto cardeais se reúnem em conclave na Capela Sistina (13/03). Foto: APSob chuva, mulher reza na Praça São Pedro, no Vaticano (13/03). Foto: APFumaça preta sai da chaminé na Capela Sistina na Praça São Pedro, Vaticano nesta terça-feira (12/03). Foto: APFeminista é detida por policiais após protestar contra o papa na Praça São Pedro durante o conclave (12/03). Foto: APFiéis aguardam na Praça São Pedro a fumaça saída da chaminé da Capela Sistina (12/03). Foto: APHomem vestido de monge ajoelha na Praça São Pedro enquanto o conclave se inicia na Capela Sistina (12/03). Foto: ReutersPessoas assistem ao início do conclave pelos telões espalhados na Praça São Pedro, no Vaticano (12/03). Foto: APFreira assiste à missa celebrada por Angelo Sodano em telão na Praça São Pedro, no Vaticano (12/03). Foto: APFreiras se reúnem para a eleição do novo papa ao lado de fora da Basílica de São Pedro, no Vaticano (12/03). Foto: APFiéis assistem à missa na Basílica de São Pedro por meio de telões na Praça São Pedro, no Vaticano (12/03). Foto: APCardeal participa da missa que celebra eleição do papa realizada por Angelo Sodano na Capela Sistina, no Vaticano (12/03). Foto: APCardeal brasileiro Dom Odilo Scherer deixa a Basílica de São Pedro após realização de missa (12/03). Foto: ReutersCardeal Peter Turkson, de Gana, participa da missa que abre os trabalhos do conclave na Basílica de São Pedro, no Vaticano (12/03). Foto: ReutersCardeal decano Angelo Sodano celebra missa na Basílica de São Pedro, no Vaticano, antes do início do conclave (12/03). Foto: Reuters

O burburinho girava em torno do cardeal Angelo Scola, italiano tido como favorito entre aqueles que pretendem modificar a poderosa burocracia do Vaticano, o o cardeal brasileiro Odilo Scherer, favorito pelos burocratas internos do Vaticano que querem preservar seu status quo. Outros nomes também surgiram, como o canadense Marc Ouellet, que chefia a Congregação para os Bispos, e o cardeal americano Timothy Dolan.

Alguns cardeais também escreveram suas últimas mensagens na página do Twitter antes de entrar no conclave, que proíbe qualquer comunicação com o mundo externo. "Pai Celestial, guie nossos corações e nos dê sabedoria e força amanhã", escreveu o cardeal de Gana Peter Turkson, um dos favoritos, na noite de segunda-feira.

Com AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas