O presidente interino Nicolas Maduro, favorito à eleição, deve enfrentar Henrique Capriles, principal nome da oposição

Reuters

A Venezuela realizará eleições presidenciais no dia 14 de abril, informou a comissão eleitoral do país neste sábado (9), em um momento no qual o presidente em exercício, Nicolas Maduro, tenta se beneficiar de um apelo sentimental de seu ex-mentor, Hugo Chávez, para ocupar o lugar dele.

Morte: Evo Morales diz estar 'quase convencido' de que Chávez foi envenenado

Mais cedo, múltiplas fontes da oposição e da comissão eleitoral disseram que dia 14 de abril seria a data, embora alguns dentro do governo defendessem que o evento aconteça no aniversário simbólico de 13 de abril do retorno de Chávez ao poder, após o breve golpe de 2002.

Maduro, que já foi ministro das Relações Exteriores e vice-presidente do governo de Chávez, fez um juramento de manter a revolução socialista de seu guia.

Luto: Bairro do anti-chavismo na Venezuela adota "silêncio de respeito"
Futuro: Nicolás Maduro assume presidência interina da Venezuela

Espera-se que ele enfrente o líder da oposição Henrique Capriles, de 40 anos, o governador centrista do estado de Miranda, derrotado por Chávez nas eleições de 2012.


Pesquisas de opinião mostraram Maduro como o provável ganhador, mas os oponentes de Chávez disseram que eles querem ter a chance de acabar com o "Chavismo" nas urnas.

"Nós queremos novas eleições agora. Nós queremos mudar. Estamos cansados da era Chávez. Já foram 14 anos," disse Yesenia Herrera, 33, uma cozinheira de restaurante chinês em um bairro próspero de Caracas.

Vizinhos: Com morte de Chávez, Cuba dá adeus a forte e generoso aliado

Maduro foi empossado presidente interino ontem, quando prestou juramento no Congresso e recebeu a faixa presidencial vermelha, amarela e azul.

Chávez era imensamente popular entre os pobres e eles devem apoiar Maduro. Milhões de pessoas fizeram fila em seu caixão para prestarem seus últimos respeitos e ainda estavam visitando o ex-líder neste sábado.

'Chávez vive': Milhares dão adeus a Chávez em funeral de Estado na Venezuela
Análise: Para bem ou mal, Chávez alterou a identidade da Venezuela

A Suprema Corte havia mais cedo decidido que Maduro não precisaria deixar o poder para conduzir sua campanha, mas a medida foi denunciada por oponentes como uma violação da Constituição e como "fraude".

(Reportagem de Simon Gardner, Daniel Wallis, Andrew Cawthorne, Terry Wade, Deisy Buitrago, Marianna Parraga, Pablo Garibian, Diego Ore e Enrique Andres Pretel)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.