Em tribunal dos EUA, parente de Bin Laden nega complô

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Um dos genros de líder da Al-Qaeda morto em 2011 nega ter conspirado para matar americanos; data de julgamento deve ser marcada em audiência em 8 de abril

Reuters

Um genro de Osama bin Laden declarou-se inocente nesta sexta-feira em um tribunal de Nova York das acusações de conspirar para matar americanos, tornando-se uma das mais graduadas figuras da Al-Qaeda a enfrentar julgamento nos EUA por crimes relacionados aos atentados do 11 de Setembro de 2001.

Captura: Genro de Bin Laden é detido na Jordânia em operação envolvendo FBI

Reuters
Desenho de artista mostra Suleiman Abu Ghaith, porta-voz da Al-Qaeda, em corte de Manhattan

Leia também: Médico paquistanês que ajudou a localizar Bin Laden faz greve de fome

Suleiman Abu Ghaith, que atuou como porta-voz da Al-Qaeda em alguns vídeos, compareceu pela primeira vez à Corte Distrital de Manhattan, a poucos quarteirões do local onde ficavam as Torres Gêmeas do World Trade Center, destruídas em 2001 por militantes em aviões sequestrados.

Os atentados foram tramados pela rede Al-Qaeda, do militante Osama bin Laden, que foi morto em 2011 por forças dos EUA no Paquistão. Seu genro foi capturado em 28 de fevereiro e levado secretamente para os EUA no dia seguinte, segundo relato de promotores no tribunal.

Fontes governamentais disseram que Abu Ghaith foi preso na Turquia, mas alguns meios de comunicação disseram que a detenção ocorreu na Jordânia.

Documentos: Atuação de 'franquias' frustrava Bin Laden

O militante de 47 anos, calvo e barbado, chegou algemado ao plenário lotado. Usava uniforme azul escuro de presidiário e parecia cooperar, acompanhando atentamente os procedimentos por intermédio de um intérprete e eventualmente aquiescendo.

Os indícios contra Abu Ghaiith incluem vídeos, gravações de áudio e um relatório de 22 páginas com transcrições de declarações que ele prestou a agentes desde sua prisão, segundo os promotores.

O acusado se pronunciou duas vezes no tribunal, quando o juiz Lewis Kaplan lhe perguntou se entendia as acusações e depois quando perguntou se aceitava os advogados nomeados pelo tribunal. Abu Ghaith disse "sim" nas duas vezes.

Philip Weistein, um dos advogados indicados, apresentou em nome do acusado uma declaração de inocência.

A segurança estava reforçada no tribunal, com bloqueios nos acessos. Tentativas anteriores do governo Obama de julgar em Nova York acusados de envolvimento no 11 de Setembro enfrentaram resistência por causa da necessidade de um caro esquema de segurança.

Em 2010, o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, disse que o julgamento de cinco desses suspeitos na cidade custaria US$ 200 milhões por ano. O processo acabou sendo transferido para a base militar de Guantánamo, em Cuba.

A data do julgamento de Abu Ghraith deve ser marcada numa audiência em 8 de abril. Os promotores dizem que o julgamento deve durar três semanas.

Leia tudo sobre: bin ladenmorte de bin ladenabu ghaitheuanova york11 de setembro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas