Morte de Chávez deixa vazio na esquerda da América Latina

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Influência de presidente venezuelano era sentida nos países latino-americanos, muito em parte por causa do petróleo; especialistas não enxergam um sucessor regional para Chávez

Reuters

A morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, na terça-feira (5), deixou um grande vazio na liderança de esquerda da América Latina e levantou dúvidas sobre a continuidade da "generosidade" do petróleo venezuelano pela região.

Aliados como o presidente boliviano, Evo Morales, prometeram continuar o sonho de Chávez de unidade "bolivariana" do hemisfério, mas em Cuba, muito dependente da ajuda venezuelana e de seu petróleo, o povo foi às lágrimas quando souberam que Chávez tinha perdido a batalha contra o câncer.

Luto: Venezuelanos expressam dor nas ruas de Caracas após morte de Chávez

Obituário: Morre aos 58 anos Hugo Chávez, presidente da Venezuela

Reuters
Mulheres acendem velas em memória a Hugo Chávez em Santo Domingo, República Dominicana (5/3)

Reação regional: Líderes latino-americanos lamentam morte de Chávez

Brasil: 'Morreu um grande latino-americano', diz Dilma sobre Hugo Chávez

Sua influência foi sentida em toda a região, das pequenas ilhas do Caribe à empobrecida Nicarágua, na América Central, passando por economias emergentes como Equador e Bolívia e os pesos pesados da América do Sul, Brasil e Argentina, onde ele encontrou o apoio de governos próximos.

Sem a sua presença ideológica, a influência da Venezuela deve diminuir e o peso da economia brasileira poderia preencher a lacuna no realinhamento diplomático da região.

Galeria de fotos: Veja trajetória de Hugo Chávez em imagens

EUA: Após morte de Chávez, Obama diz buscar relação construtiva com Venezuela

Chávez, 58 anos, deixa um legado misto de problemas econômicos e a polarização política venezuelana, mas, para muitos latino-americanos e caribenhos, ele ofereceu ajuda financeira e deu voz às aspirações regionais de superar mais de um século de influência dos EUA.

"Ele usou seu dinheiro do petróleo para construir boas relações com todos", disse Javier Corrales, cientista político dos EUA e especialista em Venezuela, da Amherst College.

A riqueza de petróleo também transformou a Venezuela em um grande importador de bens da região. "Sua conta de importação era tão grande que ele se tornou um grande parceiro comercial. É por isso que suas relações eram tão boas", disse Corrales.

Lula: 'Chávez continuará 'iluminando o futuro da Venezuela'

Entre 2008 e o primeiro trimestre de 2012, a Venezuela forneceu US$ 2,4 bilhões em ajuda financeira à Nicarágua, de acordo com o banco central da Nicarágua - uma quantia enorme para uma economia no valor de apenas US$ 7,3 bilhões em 2011.

Na era Chávez: Comércio com a Venezuela quadruplica e fica favorável ao Brasil

A Venezuela fornece petróleo em condições muito preferenciais para 17 países sob sua iniciativa Petrocaribe, e se juntou a projetos para produzir e refinar petróleo em países como Equador e Bolívia.

Chávez também ajudou a Argentina a sair da crise econômica, comprando bilhões de dólares em títulos enquanto o país lutava para se recuperar de um enorme calote da dívida. "Quando a crise de 2001 colocou em risco 150 anos de construção política, ele foi um dos poucos que nos deu uma mão", afirmou o ex-chefe de gabinete do governo da Argentina, Aníbal Fernández, no Twitter.

Criador de blocos

Em Cuba, dois terços do petróleo vem da Venezuela em troca dos serviços de 44 mil profissionais cubanos, a maioria da área médica. Combinando com investimentos generosos da Venezuela, isso ajudou Cuba a sair dos dias negros do "Período Especial" que se seguiram ao colapso em 1991 da União Soviética.

Governo: Saiba mais sobre o círculo de poder chavista

Chávez era pessoalmente e politicamente próximo ao ex-líder cubano Fidel Castro, com quem planejou a promoção de governos de esquerda e a solidariedade latino-americana contra o inimigo ideológico EUA.

Juntamente à Petrocaribe, Chávez incentivou a criação do bloco de esquerda Alba, a Aliança Bolivariana para os Povos da nossa América, e da Celac, a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos, ambas voltados para a integração regional e a redução da influência dos EUA no hemisfério.

Veja a reação do povo nas ruas da América Latina:

Menina leva faixa com a frase: 'Comandante Chávez, presidente' em praça de São Salvador, El Salvador (5/3). Foto: ReutersPartidário usa camiseta com os dizeres: 'Uh! Ah! Chávez não se vá' após o anúncio da morte de Hugo Chávez em frente a embaixada venezuelana em Buenos Aires (5/3). Foto: Reuters'Os povos do mundo unidos através da Venezuela. Obrigado por sua solidariedade. Sua vitória será nossa vitória', diz cartaz exposto em El Salvador. Foto: ReutersPeruanos se reúnem perto da embaixada venezuelana em Lima após o anúncio da morte de Hugo Chávez (5/3). Foto: ReutersMexicano agita bandeira da Venezuela em frente à embaixada venezuela na Cidade do México (5/3). Foto: APPessoas se reúnem ao lado de fora da embaixada venezuelana em Quito, Equador, após anúncio da morte de Chávez (5/3). Foto: APMulher coloca vela em frente a uma imagem do presidente venezuelano, Hugo Chávez, ao lado de fora da Embaixada da Venezuela em La Paz, Bolívia (5/3). Foto: APHomem segura cartaz com a foto do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, durante marcha em Manágua, Nicarágua (5/3). Foto: APMulher assiste ao anúncio da morte de Chávez em Manágua, na Nicarágua (5/3). Foto: ReutersArgentinas reagem à morte do presidente venezuelano Hugo Chávez na frente da embaixada venezuelana na Argentina (5/3). Foto: AP

Leia também: Veja as principais frases de Hugo Chávez

Sucessão: Maduro assume interinamente; Venezuela convoca nova eleição em 30 dias

"Chávez era um líder regional com a Alba e a Celac, mas a Alba está em um processo de deterioração gradual. Em parte como a saúde de Chávez se deteriorou, assim está a Alba", disse Frank Mora, ex-subsecretário adjunto de Defesa para Assuntos do Hemisfério Ocidental no primeiro governo do presidente dos EUA, Barack Obama.

"Para mim, é difícil acreditar que alguém como Rafael Correa (presidente equatoriano) ou Raúl Castro (líder cubano) possa pegar o manto que está sendo deixado pela ausência de Chávez e manter o mesmo nível de apoio e vibração que estes relacionamentos e organizações antiamericanas e bolivarianas tinham."

Leia tudo sobre: chávezcâncer de chávezvenezuelamorteamérica latina

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas