Tamanho do texto

Repórter da TV colombiana RCN e um cinegrafista foram atingidos em frente ao hospital militar onde o presidente venezuelano morreu na terça-feira

Uma jornalista colombiana da emissora de TV RCN foi agredida na noite de terça-feira (5) enquanto fazia a cobertura da reação nas ruas pela morte do presidente Hugo Chávez .

Carmen Andrea Rengifo foi golpeada na cabeça nas imediações do hospital militar em Caracas, onde Chávez estava internado. Segundo a emissora, os responsáveis pela agressão eram partidários do líder venezuelano. A RCN informou também que a jornalista e o cinegrafista que a acompanhava foram ameaçados e obrigados a deixar o local.

Luto: Venezuelanos expressam dor nas ruas de Caracas após morte de Chávez

Obituário: Morre aos 58 anos Hugo Chávez, presidente da Venezuela

Correspondente colombiana da emissora RCN é agredida em Caracas após morte do presidente Hugo Chávez
Reprodução
Correspondente colombiana da emissora RCN é agredida em Caracas após morte do presidente Hugo Chávez

Chanceler da Venezuela: Cerimônia fúnebre de Chávez será sexta

Luto: Vice pede união, e venezuelanos choram e lamentam morte de Chávez

Segundo relatou a jornalista à versão colombiana do jornal El País, ela e o cinegrafista estavam há cinco minutos no entorno do hospital, quando alguém disse que eles pertenciam a uma "emissora golpista, que ia contra Chávez". "Homens e mulheres começaram a atacar a mim e a meu cinegrafistas com capacetes, paus, socos e pontapés", disse.

Os dois foram levados ao hospital e passam bem. Outro episódio de violência foi registrado em Caracas. Uma tenda de jovens estudantes que pediam explicações sobre as condições de saúde do presidente foi incendiada. Ninguém ficou ferido.

Futuro: Maduro assume interinamente; Venezuela convoca nova eleição em 30 dias

Após anunciar a morte de Chávez , o presidente interino Nicolás Maduro pediu tranquilidade nas reações. "Não vamos deixar existir fraqueza, nem violência. Que não haja ódio. Em nossos corações só deveremos ter um sentimento: amor."

O vice acrescentou que tropas e agentes policiais estarão nas ruas para "garantir a paz". Em comunicado, o Exército se comprometeu em permanecer leal a Maduro  e ao parlamento.

Assista ao vídeo sobre a agressão à jornalista:

Leia também:  'Morreu um grande latino-americano', diz Dilma sobre Hugo Chávez

Chávez morreu na terça-feira (5) às 16h25 locais (17h55 em Brasília). Ele havia voltado a Caracas no dia 18 , após ter sido submetido em Cuba em 11 de dezembro a uma quarta cirurgia relativa a um câncer não especificado na região pélvica, que havia sido diagnosticado em junho de 2011 .

Seu corpo será levado em procussão até a Academia Militar em Caracas, onde permanecerá até o funeral na sexta-feira . Todas as escolas e universidades do país ficarão fechadas durante toda a semana.

Desde a morte de Chávez, o clima nas ruas do país é de comoção , sobretudo em Caracas. No centro da capital, as pessoas caminham chorando, conversando ao telefone e comentando a notícia, que muitos dizem se esforçar para acreditar.

Veja as reações do povo venezuelano nas ruas:

Futuro da Venezuela

Maduro assumirá o comando interinamente e o país convocará eleições gerais, segundo informou o chanceler Elías Jaua.

"Está muito claramente estabelecido o que acontece, e o que sempre defendemos, agora que se produziu uma ausência absoluta, assume o vice-presidente da República como presidente e se convocam novas eleições nos próximos 30 dias", disse Jaua em comentários televisionados, não deixando claro se a votação ocorre daqui 30 dias, como previsto pela Constituição.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.