Líder da al Qaeda está vivo, diz serviço de monitoramento

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Porta-voz do Exército francês também não confirmou a morte de Mokhtar Belmokhtar. Um soldado francês morreu em combate no norte do Mali

AP
Imagem tirada de vídeo mostra o líder Moktar Belmoktar, cuja morte não foi confirmada oficialmente

O comandante da al Qaeda que foi dado como morto pelo Chade, Mokhtar Belmokhtar, está vivo, segundo mensagem deste domingo de um participante de fóruns extremistas na Internet. A mensagem foi lida por um serviço de monitoramento que acompanha esses fóruns on-line de militantes.

Entenda: Principal militante islâmico do norte da África é morto no Mali, diz Chade

O participante não identificado disse em uma mensagem publicada em diversos fóruns que Belmokhtar está "vivo, bem e comandando ele mesmo as batalhas", de acordo com o serviço de monitoramento SITE, baseado nos Estados Unidos.

A mensagem diz que Belmokhtar, considerado o mentor da tomada de reféns numa usina de gás na Argélia em janeiro, vai logo enviar uma mensagem confirmando a notícia. Ainda de acordo com o SITE, a Ahrar Press, uma organização árabe independente de mídia, também relatou que, segundo fonte do grupo de Belmokhtar, o militante não havia sido morto.

No sábado, forças do Chade afirmaram haver matado Belmokhtar em combates no Mali, mas o porta-voz dos militares franceses, Thierry Burkhard, não pode confirmar a informação.

A morte de Mokhtar Belmokhtar já foi anunciada outras vezes no passado. Esta última se deu um dia depois de o governo do Chade declarar também como morto Adelhamid Abou Zeid, outro importante líder da al Qaeda na região do Saara. A França e o Mali disseram não poder confirmar a morte.

Caso confirmadas, as mortes significariam o fim do comando da al Qaeda no Mali.

Rudt Attalah, ex-agente de contraterrorismo do governo norte-americano e hoje consultor, se mostrou cético em relação ao anúncio do Chade.

Cenário: Al-Qaeda esculpe em cavernas e no subterrâneo seu próprio país no Mali 

Segundo ele, o governo do Chade está sob forte pressão, já que 26 soldados já morreram na operação. "O anúncio dessas mortes é bom para as tropas".

Mais uma baixa no exército francês
A França declarou neste domingo que perdeu o seu terceiro soldado, em um combate feroz com os rebeldes islâmicos no norte do Mali.

Cedric Charenton, de 26 anos, foi morto a tiros no sábado em batalha com rebeldes islâmicos no norte do país.

Os combatentes ligados à al Qaeda no Mali, que haviam tomado o norte do país em abril passado, foram empurrados durante a campanha, que já dura sete semanas, para as montanhas e deserto da região, onde estão sendo perseguidos por tropas da França, do Chade e do Mali.

O Ministério da Defesa da França anunciou que Cedric Charenton foi morto durante um ataque contra um esconderijo dos rebeldes islâmicos nas montanhas perto da Argélia.

Retaliação: Em cidade recapturada do Mali, islâmicos passam a ser caçados 

Thierry Burkhard, porta-voz dos militares franceses, afirmou que cerca de 15 rebeldes foram mortos num dos mais duros combates da campanha até agora. Segundo o oficial francês, os insurgentes possuem armamento pesado, como foguetes, lançadores de granadas e rifles AK-47.

(Com informações da Reuters) 

Leia tudo sobre: malifrançaal-qaedachade

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas