Polícia da Índia investiga estupro de menina de 7 anos em escola da capital

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Multidões enfurecidas protestam em frente de hospital onde criança é tratada; médico que ajudou a cuidar de menina diz que seus ferimentos são consistentes com estupro

A polícia iniciou uma investigação sobre o estupro de uma menina de 7 anos dentro de uma escola do Estado na capital indiana, Nova Délhi. Sob condição de anonimato, um porta-voz policial disse nesta sexta-feira que a polícia registrou o caso de estupro e está interrogando professores e guardas de segurança na instituição. 

Grupo de direitos humanos: Índia falhou em impedir o abuso sexual infantil

AP
Policiais de Nova Délhi patrulham rua cheia de cacos de vidro durante protesto contra estupro de menina de 7 anos em Nova Délhi, Índia

Expectativa: Após estupro coletivo brutal, mulheres esperam mudança social na Índia

O médico Sanjay Kumar, que ajudou a tratar a menina, disse que ela tem ferimentos consistentes com estupro. Multidões de centenas de pessoas enfurecidas se reuniram em frente do hospital de Sanjay Gandhi, na área de Mangolpuri (norte de Délhi), e lançaram pedras contra um ônibus que estava próximo, quebrando suas janelas, e contra a polícia, que cercou a rua e tenta dispersar a multidão usando cacetetes.

O caso surgiu enquanto o Parlamento da Índia manteve um caloroso debate sobre o estupro e assassinato de três irmãs com idades entre 6 e 11 anos no Estado de Maharashtra no mês passado. Ninguém foi preso, e parlamentares da oposição criticaram a lentidão da investigação.

Entenda: Por que a Índia trata tão mal suas mulheres?

'Capital do estupro': Estupro coletivo expõe descaso de Nova Délhi com mulheres

O ministro do Interior indiano, Sushil Kumar Shinde, disse que um policial foi suspenso por não agir suficientemente rápido depois que surgiu o relato do desaparecimento das meninas. Seus corpos foram encontrados dois dias depois de elas desaparecerem de sua escola.

O ultraje público contra crimes contra as mulheres explodiu depois do estupro coletivo de uma jovem em um ônibus de Nova Délhi em 16 dezembro. A mulher, uma universitária de 23 anos, morreu 13 dias depois por causa das lesões sofridas no ataque.

Indignação: Estupro leva Índia a exame de consciência em busca de respostas

Seis réus negam as acusações sobre o caso, dos quais cinco estão sendo julgados em uma corte de rápidos procedimentos. Os cinco podem ser condenados à morte, enquanto um menor indiciado na semana passada poderia ser sentenciado a três anos em um reformatório.

*Com AP e BBC

Leia tudo sobre: índiaestupronova délhi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas