África do Sul prende policiais pela morte de moçambicano arrastado pelas ruas

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Taxista morreu após ser algemado à traseira de van e ser arrastado sob acusação de estacionar em local proibido; vídeo da agressão foi feito por pedestre

Oito policiais sul-africanos foram presos nesta sexta-feira pela morte de um moçambicano que foi arrastado pelas ruas por um veículo da polícia. Inicialmente, os agentes foram suspensos até a conclusão de uma investigação que foi  lançada depois do surgimento de uma gravação de vídeo mostrando o homem ser arrastado com as mãos algemadas na traseira de uma van policial.

Vídeo: Moçambicano é arrastado por carro da polícia na África do Sul

AP
Curiosos filmam momento em que moçambicano é amarrado em carro da polícia e arrastado

Medida: Polícia suspende agentes sul-africanos que arrastaram moçambicano até a morte

A comissária da polícia Riah Phiyega agradeceu aqueles que revelaram um "comportamento inaceitável", enquanto o presidente Jacob Zuma classificou o incidente de "horrível". Os agentes presos comparecerão a uma corte de justiça em 4 de março.

Um inquérito de homicídio feito pela direção do órgão independente de investigação policial foi aberto com base nas evidências de que Macia sofreu ferimentos na cabeça e na parte superior do abdômen, incluindo hemorragia interna. As lesões podem ser decorrentes do fato de ter sido arrastado, ou ele pode ter sido espancado pelos agentes. Riah disse que a polícia também teria sua própria investigação interna.

O taxista Mido Macia, 27, morreu por causa dos ferimentos e de uma hemorragia interna depois de ser preso em Daveyton, a leste de Johanesburgo, revelou uma autopsia. Há relatos de que ele foi detido por ter estacionado seu carro em uma área que bloqueava o trânsito.

O vídeo gravado por um pedestre com um celular mostra uma multidão assistindo aos policiais uniformizados prendendo o moçambicano à van e o arrastando ao sair do local com o veículo. A revolta popular cresceu depois que a gravação foi veiculada na televisão.

A comissária Riah disse nesta sexta que compartilha "do extremo choque e indignação" contra o abuso cometido pelos policiais contra o imigrante e apoia a investigação realizada pela agência de vigilância da polícia. Os direitos de Macia foram "violados da forma mais extrema possível", disse.

O recente escândalo mina a confiança na força policial sul-africana, que espandiu suas tropas de 120 mil para 200 mil em uma década. "Lidar com 200 mil empregados nunca é uma tarefa fácil", afirmou Riah. "Sempre pode haver um incidente como esse."

Gravação: Vídeo mostra momento em que polícia sul-africana mata grevistas

Esse não é o primeiro episódio de violência policial na África do Sul. Em agosto, a polícia matou à queima-roupa 34 mineiros que protestavam na mina de platina Marikana, no noroeste do país. O caso ainda está sendo investigado por uma comissão de juízes indicada pelo presidente Zuma.

*Com BBC e AP

Leia tudo sobre: áfrica do sulmoçambiquetaxistapolícia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas