Dilma reconhece apreço de Bento 16 pelo Brasil em mensagem ao papa

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Em primeiro comunicado oficial do governo brasileiro desde o anúncio da renúncia, em 11 de fevereiro, presidente manifesta respeito por decisão de Bento 16

AFP
Dilma Rousseff durante viagem oficial a Paris, na França (foto de arquivo)

A presidente Dilma Rousseff recordou os gestos de apreço do papa Bento 16 com o Brasil ao longo de seu pontificado e desejou "saúde e paz" ao pontífice em sua nova fase, em mensagem enviada no último dia do papado de Bento, nesta quinta-feira (28).

Despedida de cardeais: Papa promete 'obediência incondicional' a sucessor

Análise: Papa de 'transição', Bento 16 enfatizou resgate da tradição católica

Dilma reconheceu os acendo da Igreja ao Brasil nos últimos anos, com a visita do papa em maio de 2007 por ocasião da 5ª Conferência Geral do Conselho Episcopal Latino-americano (Celam), em Aparecida do Norte, a canonização do primeiro santo brasileiro, dom Antonio Galvão de França, e a escolha do Rio de Janeiro como sede da Jornada Mundial da Juventude, que ocorrerá de 23 a 28 de julho deste ano.

Conflitos: Disputas, rivalidades e traições do Vaticano aguardam próximo papa

11 de fevereiro de 2013: Papa Bento 16 anuncia renúncia ao cargo

Os acontecimentos foram qualificados "como marcos históricos no relacionamento entre a Santa Sé e o Brasil". A presidente também manifestou respeito pela decisão do papa de renunciar à cátedra de São Pedro e desejou que "essa nova fase de recolhimento o encontre com saúde e paz".

Essa foi a primeira manifestação oficial da presidente sobre a renúncia do papa desde o anúncio feito por Bento 16, no dia 11 de fevereiro, de que deixaria o papado, alegando condições frágeis de saúde.

Análise: Renúncia de Bento 16 redefine pontificado ao abrir precedente

Título: Bento 16 será chamado de 'papa emérito' após renúncia, diz Vaticano

A falta de uma manifestação oficial da presidente após o anúncio da renúncia do papa chegou a ser vista como um sinal de que ela ainda guardava mágoas de Bento 16 em relação à campanha eleitoral de 2010 à Presidência, quando o papa orientou os bispos que se empenhassem contra o voto em candidatos favoráveis ao aborto - Dilma chegou a ser acusada por setores religiosos no Brasil de ser favorável à legalização, o que ela negou.

Por meio do ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência, o governo já havia negado qualquer mal-estar nas relações com o Vaticano.

Última audiência geral: Bento 16 se despede do público na Praça de São Pedro

Antecipação: Papa muda legislação da Igreja e permite a cardeais iniciar conclave antes

Na noite desta quinta, após a declaração de "sé vacante", o papa irá dirigir-se à residência pontifícia do Castelo Gandolfo, ao sul de Roma. Segundo o Vaticano, ele assumirá o título de "papa emérito" e continuará sendo chamado de "Sua Santidade".

Os cardeais começarão a se reunir para as chamadas "congregações gerais" na sexta-feira, em preparação para o início do conclave que escolherá o novo papa. Espera-se que um novo nome seja anunciado até antes da Páscoa, em 31 de março.

Reprodução/Vatican Player
Papa Bento 16 faz discurso em encontro com cardeais no Vaticano no dia de sua renúncia

Leia tudo sobre: renúncia do papadilma rousseffpapabento 16vaticanoconclave

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas