Terceiro colocado em eleição da Itália rejeita coalizão com centro-esquerda

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Comediante Beppe Grillo disse que seu Movimento 5 Estrelas não dará voto de confiança a nenhum governo e decidirá caso a caso quais legislações apoiará no Parlamento

O comediante Beppe Grillo, cujo Movimento 5 Estrelas desafiou expectativas e se tornou o terceiro colocado nas eleições de domingo e segunda, rejeitou nesta quarta-feira fazer uma coalizão com a centro-esquerda.

Resultado: Apuração final confirma impasse após eleições parlamentares na Itália

Reuters
Líder do Movimento 5 Estrelas, o comediante Beppe Grillo, dá entrevista depois de votar em Gênova, Itália (25/02)

Cenário: 'Empate' em eleições na Itália causa apreensão na Europa

O Partido Democrata, de Pier Luigi Bersani, ganhou a maioria na Câmara dos Deputados, mas não obteve o mesmo resultado no Senado, conquistado pela aliança de centro-direita do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi. Os inconclusivos resultados eleitorais deixaram a Itália em um impasse político e elevou os custos de empréstico para o governo.

Em seu blog, Grillo chamou Bersani de "homem morto que caminha" e um político perseguidor, sugerindo que qualquer acordo para formar um novo governo será difícil. À BBC, Grillo disse esperar novas eleições dentro de um ano. Apesar disso, disse acreditar que os dois principais blocos na centro-esquerda e na centro-direita chegariam a um acordo, deixando seu movimento na oposição.

Saiba mais: Entenda as eleições na Itália

Ele também afirmou que o 5 Estrelas decidiria caso a caso se apoiaria legislações específicas, mas não daria um voto de confiança a qualquer governo liderado por partidos tradicionais. Ele também afirmou que deveria ser cumprimentado por dar esperança a pessoas irritadas.

 "(O 5 Estrelas) não dará qualquer voto de confiança ao Partido Democrático (centro-esquerda) ou a qualquer outra pessoa, mas votará na Câmara a favor das leis que refletem o seu programa", afirmou no Twitter.

*Com BBC e Reuters

Leia tudo sobre: itáliaeleição na itáliabersanigrilloberlusconi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas