Decisão de pontífice representa contraponto a João Paulo 2º, que escolheu permanecer no cargo apesar de sua saúde ter declinado perante os olhos públicos

AP

O papa Bento 16 remodelou o papado simplesmente ao  desistir dele . Mas como?

Como o primeiro pontífice em quase seis séculos a renunciar ao cargo, Bento abriu um novo caminho para os sucessores que decidirem não poder governar até o fim da vida. Mas estudiosos dizem que as repercussões podem ir além de apenas mudar a forma como os pontífices deixam o cargo, moldando percepções sobre a autoridade e importância do pontificado.

Título: Bento 16 será chamado de 'papa emérito' após renúncia, diz Vaticano

Duas freiras caminham perto de foto de papa Bento 16 ao deixar loja de souvenir perto do Vaticano (26/02)
AP
Duas freiras caminham perto de foto de papa Bento 16 ao deixar loja de souvenir perto do Vaticano (26/02)

Antecipação: Papa muda legislação da Igreja e permite a cardeais iniciar conclave antes

"Muito do significado do que ele fez será determinado por aquilo que papas subsequentes fizerem. Será que isso se tornará um precedente para outros papas ou não?", disse Phillip Thompson, diretor executivo do Centro Aquino de Teologia na Universidade de Emory.

O pontificado de Bento terminará às 20 horas (16 horas em Brasília) de quinta-feira. Ele não planeja ter papel no conclave que escolherá o próximo pontífice e se retirará para uma vida de oração em um monastério atrás dos muros do Vaticano. Sua decisão chocou a Igreja. Mas renúncias papais podem tornar-se mais prováveis ao longo do tempo por causa da maior expectativa de vida e das exigências crescentes do pontificado, disse Thompson.

Viajar agora é uma grande responsabilidade em grande parte por causa do exemplo itinerante do papa João Paulo 2º. Pastorear os cerca de 1,1 bilhão de fiéis requer constante contato por meio da internet . Atualmente, mesmo os católicos distantes da Santa Sé podem assistir à audiência semanal e fazer perguntas ao papa via Twitter , além de rezar em tempo real juntamente com os peregrinos na Praça de São Pedro. Como resultado, permanecer no cargo até a morte pode significar um declínio muito forte perante o público. João Paulo, que sofreu de Parkinson e de outros problemas de saúde, não podia mais andar ou falar quando morreu em 2005, aos 84 anos.

Internet: Papa abre porta com Twitter, mas jovens esperam 'sucessor 2.0'

O papa é considerado um professor, um diplomata internacional e um administrador, mas também é o vigário de Cristo - um líder com uma missão divina. A aposentadoria de Bento 16 levantou temores de que o pontificado poderia ser visto como algo menos sagrado. Há ainda algumas questões sobre a mal compreendida retórica católica sobre a infalibilidade papal: com dois papas, um emérito e um no poder, quem terá a palavra final? Na verdade, a infalibilidade se aplica ao cargo, não à pessoa, e somente quando um papa invoca a autoridade apostólica para definir doutrina ou moral para toda a Igreja.

Lua cheia sobre a Basílica de São Pedro, no Vaticano, é vista na madrugada de 26/02
AP
Lua cheia sobre a Basílica de São Pedro, no Vaticano, é vista na madrugada de 26/02

No entanto, muitos estudiosos católicos dizem que o ato de certa forma desmistifica o papado, especialmente dado o intenso foco nos últimos dias do pontificado de Bento ao escândalo dos documentos vazados do Vaticano em 2012 e ao papel que essa crise desempenhou em sua decisão de partir. Joseph Bottum, escrevendo na conservadora publicação americana The Weekly Standard, chamou Bento 16 de "um terrível executivo do Vaticano".

"Há a parte do relacionamento - ele é seu pai - e seu pai é sempre o seu pai. Depois há a parte funcional - se ele está preparado para o trabalho", disse o cardeal Francis George, de Chicago, em entrevista por telefone. "As preocupações funcionais são as que vieram à tona agora. Vamos ver se elas terão algum impacto de agora em diante."

Mesmo com a renúncia de Bento 16, o novo papa não chegará ao cargo pensando: "Ficarei ali uns dez anos e em seguida me aposento", disse Francesco Cesareo, especialista em história da Igreja e presidente da Faculdade Assumption, em Worcester, Massachusetts. A importância do cargo, sua história e deveres espirituais sempre dificultarão a decisão de abandoná-lo.

Perspectiva: Novo papa vai liderar Igreja ameaçada por escândalos e avanço protestante

Futuro:  Saiba os desafios que aguardam o novo papa

Em 11 de fevereiro no Vaticano, quando fez seu pronunciamento dramático, o líder de 85 anos disse que examinou sua consciência diante de Deus e decidiu que a sua força, por causa de idade avançada , havia se "deteriorado a tal ponto que precisei reconhecer a incapacidade de cumprir adequadamente o ministério confiado a mim".

"Tenho certeza de que Bento sofreu com isso e orou por um longo tempo indagando o que significaria para a Igreja", disse Cesareo. "Bento deve ter pensado: 'O que as pessoas vão pensar? Vou ser visto como um pastor que abandona o seu rebanho? Ele decidiu: 'Estou disposto a sacrificar minha imagem para o bem da instituição."

Decisão: Papa Bento 16 disse que está renunciando "pelo bem da Igreja"

Trabalhadores erguem palco para a imprensa próximo à praça São Pedro, um dia antes da última audiência pública de Bento 16 como papa (26/02)
AP
Trabalhadores erguem palco para a imprensa próximo à praça São Pedro, um dia antes da última audiência pública de Bento 16 como papa (26/02)

João Paulo não renunciou em parte por causa da preocupação de que alguns católicos o seguiriam e causariam um cisma. Sua decisão foi vista como um testemunho corajoso ao sofrimento humano. Mas sua condição enfraquecida também alimentou temores de que a Igreja estava efetivamente sem liderança.

"Se um papa está incapacitado, as pessoas disputarão seu poder ou tentarão assumir o controle", disse Thompson. "Ou ninguém assume e, por isso, o poder fica à deriva. Pessoas não sentem que é seu lugar tomar decisões pelo pontífice. Mas ninguém quer que a Igreja apenas fique à deriva."

Disputa: Papa Bento 16 pede a líderes da Igreja que coloquem rivalidades de lado

Muitos católicos têm argumentado que a decisão de Bento 16 tem apenas ressaltado a importância do pontificado. Ele colocou os holofotes onde precisam estar, sobre a Igreja, e não sobre o homem, e passou uma mensagem de que o trabalho é tão importante que não pode ser realizado por alguém em um estado enfraquecido, afirmam. Thompson comparou o impacto a quando George Washington desistiu da presidência após dois mandatos, criando um precedente para o futuro dos presidentes americanos.

De acordo com Stephen White, um pesquisador de estudos católicos na Comissão de Ética e do Centro de Políticas Públicas, um think-tank de Washington, Bento 16 tem demonstrado claramente que o papel primário do papa é servir. "O papado, em outras palavras, não foi dado a ele por sua causa, mas por causa da missão da Igreja", escreveu White no Huffington Post.

Turistas são refletidos em retrato de papa Bento 16 na Praça de São Pedro, no Vaticano (26/02)
AP
Turistas são refletidos em retrato de papa Bento 16 na Praça de São Pedro, no Vaticano (26/02)

Uma semana após o anúncio de Bento 16, o cardeal de Nova York, Timothy Dolan, disse que apenas começava a compreender o significado da renúncia do papa. Ainda assim, Dolan rejeitou preocupações de que pontífices a partir de agora se sentiriam vulneráveis às pressões para renunciar, sejam elas de um público descontente ou de facções dentro da Igreja armadas com pesquisas de opinião ou questionando a saúde de um papa.

Saiba mais: Infográfico mostra história do papa Bento 16

Dolan argumentou que papas modernos em muitos aspectos têm enfrentado esse desafio há anos. E, no futuro, ele afirmou que teríamos dois fortes modelos de como abordar o pontificado: a decisão de João Paulo de ficar até o final e a escolha de Bento 16 de partir.

"Acho que precisamos dizer que isso é extraordinário. Isso é excepcional. Esse é um fenômeno único em três ou quatro séculos", disse Dolan, discutindo a abdicação em seu programa de rádio "The Catholic Channel", na SiriusXM. ''Não é algo que vai se tornar algo que todos os papas se sentirão obrigados a fazer."

*Rachel Zoll

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.