Ataque lançado após três meses de confronto entre Israel e Hamas no território costeiro acontece depois de morte de preso palestino no sábado

Reuters

Um foguete lançado da Faixa de Gaza explodiu no sul de Israel nesta terça-feira, no primeiro ataque desse tipo realizado por militantes islâmicos do Hamas desde que um cessar-fogo encerrou uma série de confrontos entre as fronteiras em novembro, informou a polícia israelense.

Cenário: Negociação entre EUA e Egito possibilitou cessar-fogo em Gaza

Especialistas israelenses em explosivo são vistos perto de foguete lançado do norte da Faixa de Gaza contra Ashkelon
AP
Especialistas israelenses em explosivo são vistos perto de foguete lançado do norte da Faixa de Gaza contra Ashkelon

NYT: Egito usa esgoto para bloquear túneis na fronteira com a Faixa de Gaza

O foguete causou danos a uma estrada perto da cidade de Ashkelon, mas não houve vítimas, disse o porta-voz da polícia Micky Rosenfeld.

"Uma explosão foi ouvida na região de Ashkelon, especialistas fizeram uma busca na área e encontraram um foguete que caiu, danificando uma estrada, mas sem causar feridos", disse Rosenfeld.

Infográfico: Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

Nenhum militante em Gaza assumiu imediatamente a responsabilidade pelo ataque. No fim de novembro, mediadores egípcios ajudaram a alcançar uma trégua depois de oito dias de intensos ataques aéreos israelenses em meio a lançamentos de foguetes vindos do território costeiro.

O ataque desta terça veio após a morte de um preso palestino , no sábado, que estava sob custódia israelense e causou protestos no território ocupado da Cisjordânia. Na segunda, soldados israelenses dispararam e feriram cinco palestinos durante confrontos com manifestantes na região de Belém, com um menino de 15 anos em estado grave.

Intifada: Israel teme que morte de preso motive nova rebelião palestina

A morte em circunstâncias polêmicas de Arafat Jaradat, enterrado durante um funeral na região de Hebron que contou com milhares de presentes na segunda, e uma greve de fome por outros quatro presos palestinos alimentaram as tensões antes de uma visita planejada do presidente dos EUA, Barack Obama, no próximo mês.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.