Presidenta da Coreia do Sul toma posse e faz exigência a regime de Pyongyang

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Park Geun-hye, primeira líder mulher sul-coreana, quer que Coreia do Norte abandone ambições nucleares e deixe de desperdiçar seus escassos recursos em armas

Reuters

A nova presidenta da Coreia do Sul, Park Geun-hye, cobrou da Coreia do Norte nesta segunda-feira que abandone as ambições nucleares e pare de desperdiçar seus escassos recursos em armas, menos de duas semanas após o país ter realizado um terceiro teste nuclear.

Dia 12: Coreia do Norte desafia ONU e realiza 3º teste nuclear

AP
A nova presidenta da Coreia do sul, Park Geun-hye (C), chega para jantar oficial em casa presidencial em Seul

Dezembro: Presidente sul-coreana promete 'nova era' nas relações com Coreia do Norte

Em seu discurso de posse, a primeira presidenta mulher da Coreia do Sul também pediu aos sul-coreanos para ajudarem a revitalizar a economia da nação dependente de exportações, cujo comércio está ameaçado pela política do iene fraco do vizinho Japão.

Park, filha de 61 anos do ex-governante militar da Coreia do Sul Park Chung-hee, reuniu-se com o pai do atual governante da Coreia do Norte em 2002 e ofereceu ajuda e negócios à nação vizinha pobre e isolada, desde que abandone seu programa nuclear.

Resposta: Coreia do Sul lança foguete semanas depois da Coreia do Norte

"Peço à Coreia do Norte que abandone suas ambições nucleares sem demora e embarque no caminho da paz e do desenvolvimento comum", disse depois de assumir o cargo. A postura rígida da nova líder foi apoiada por partidários e pela multidão em sua cerimônia de posse.

"Tenho confiança nela como a primeira presidenta mulher. Ela tem de ser mais agressiva com a Coreia do Norte", disse Jeong Byung-ok, de 44 anos, que estava na cerimônia com sua filha de 4 anos.

NYT: Mudanças sociais da Coreia do Sul levam idosos desamparados ao suicídio

O regime de Pyongyang, que enfrenta ainda mais sanções da ONU por seu mais recente teste nuclear, o maior e mais potente até agora, não deve atender ao pedido de Park e há pouca coisa que o governo sul-coreano possa fazer para influenciar o seu vizinho belicoso.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas