Potências devem oferecer alívio de sanções ao Irã, diz autoridade dos EUA

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Oferta deve ser feita durante encontro na terça e quarta no Casaquistão, sob a condição de que Teerã se comprometa a frear seu programa nuclear

Reuters

As grandes potências mundiais oferecerão ao Irã algum alívio nas sanções impostas ao país durante conversações em Almaty, no Casaquistão, nesta semana, se Teerã se comprometer a frear seu programa nuclear, disse uma autoridade dos EUA nesta segunda-feira.

Dia 23: Irã anuncia descoberta de urânio antes de diálogo sobre programa nuclear

AP
Principal instalação de enriquecimento de urânio do Irã é a de Natanz (foto de arquivo)

AIEA: Irã instala centrífugas avançadas para acelerar atividade nuclear

No entanto, a República Islâmica poderá enfrentar mais problemas econômicos se o impasse não for resolvido, disse a autoridade antes da reunião de 26 e 27 de fevereiro, falando sob condição de anonimato.

"Acreditamos que haverá algum alívio adicional das sanções (na proposta atualizada das potências ao Irã)", disse a fonte, sem dar detalhes.

Reflexos: Sanções agravam crise do setor de saúde no Irã

Reforço: Obama anuncia novas sanções econômicas contra o Irã

Diplomatas ocidentais disseram à Reuters que EUA, Rússia, China, Reino Unido, Alemanha e França oferecerão alívio das sanções sobre o comércio de ouro e metais preciosos se o Irã fechar sua usina subterrânea de enriquecimento de urânio de Fordow.

Autoridades iranianas indicaram, no entanto, que isso não será suficiente. O Irã nega as acusações ocidentais de que está em busca de desenvolver a capacidade de fabricar bombas atômicas e diz que seu programa nuclear é totalmente pacífico.

A autoridade dos EUA disse que as potência esperam que a reunião em Almaty leve a outras negociações em breve.

Negativa: Líder supremo do Irã rejeita negociações diretas com EUA

"Estamos prontos para acelerar o ritmo de nossas reuniões e discussões", disse a autoridade, reiterando que os EUA também estão preparados para manter conversações bilaterais com o Irã, se Teerã tiver uma posição séria sobre isso.

Leia tudo sobre: irãprograma nuclearbomba atômicaeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas