Israel teme que morte de preso motive nova rebelião palestina

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Morte de Arafat Jaradat por suposta tortura e uma greve de fome realizada por quatro outros presos palestinos elevaram as tensões na Cisjordânia

Reuters

Palestinos armados e mascarados fizeram disparos para o alto nesta segunda-feira, enquanto milhares acompanhavam na Cisjordânia o funeral de um detento morto em uma prisão israelense, num incidente que ameaça dar início a uma nova intifada (rebelião).

Infográfico: Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

Reuters
Um manifestante palestino joga pedras durante confrontos com soldados israelenses em Hebron, na Cisjordânia

214 dias: Palestino trocado por Shalit faz greve de fome 'mais longa da história'

A morte de Arafat Jaradat, no sábado, e uma greve de fome realizada por quatro outros presos palestinos elevaram as tensões no território ocupado, após repetidos confrontos nos últimos dias entre manifestantes armados com pedras e soldados israelenses.

As tropas israelenses, em alerta elevado, assumiram posições nos arredores da aldeia de Se'eer, terra natal de Jaradat, enquanto meia dúzia de palestinos fardados e mascarados disparava rajadas de metralhadoras. "Sacrificamos nossas almas e sangue por você, nosso mártir!", gritavam os participantes do funeral.

Controvérsia: Soldado israelense publica foto com criança palestina sob mira de arma

Em outros pontos da Cisjordânia, soldados israelenses feriram pelo menos seis palestinos em confronto. Médicos disseram que algumas das lesões foram à bala, embora o Exército tenha declarado que não usou munição letal.

As cenas lembravam a intifada, ou rebelião árabe, que começou em 2000, depois do fracasso das negociações de paz entre palestinos e israelenses. Uma intifada anterior, de 1987 a 1993, levou a acordos de paz provisórios e a um autogoverno limitado para os palestinos.

O ministro israelense da Defesa Civil, Avi Dichter, alertou que uma nova rebelião pode começar se houver mortes nos protestos.

Muro: Barreira na Cisjordânia impulsiona boom imobiliário em Jerusalém

Os militares de Israel disseram que dezenas de palestinos apedrejaram soldados em várias partes da Cisjordânia nesta segunda. As tropas reagiram com gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral, segundo o Exército.

"As duas intifadas anteriores (...) ocorreram como resultado de um alto número de mortes (durante os protestos)", disse Dichter à Rádio Israel. "As vítimas fatais são quase uma receita provável para uma escalada mais aguda."

Como os protestos palestinos têm se tornado mais frequentes nos últimos meses na Cisjordânia, e a repressão israelense muitas vezes deixa vítimas, ambos os lados temem uma erupção mais ampla da violência.

Restrição: Mudança de nome para Estado da Palestina tem limitações

Novo status: Contra EUA e Israel, ONU reconhece de forma implícita Estado Palestino

Jaradat, de 30 anos, foi detido há uma semana por atirar pedras em carros israelenses na Cisjordânia.

Autoridades palestinas disseram que ele morreu ao ser torturado na prisão. Mas Israel afirmou que uma autopsia realizada na presença de um legista palestino foi inconclusiva, e que lesões como costelas quebradas podem ter sido causadas durante os esforços de ressuscitação do preso.

ONU: Assentamentos israelenses 'violam direitos dos palestinos'

Robert Serry, coordenador da ONU para o processo de paz do Oriente Médio, pediu "uma investigação independente e transparente sobre as circunstâncias da morte de Jaradat, cujos resultados devem ser tornados públicos assim que possível".

Leia tudo sobre: israelpalestinoscisjordâniaintifada

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas