Amigo de líder da Venezuela, que continua em tratamento contra câncer após voltar a Caracas, fez escala na capital venezuelana a caminho de evento da ONU em Nova York

Reuters

O presidente boliviano, Evo Morales, disse na quarta-feira que não conseguiu ver o seu amigo, o presidente venezuelano, Hugo Chávez , quando fez uma escala na Venezuela a caminho da Organização das Nações Unidas em Nova York, pois o líder socialista estava sob tratamento contra um câncer.

Dirigente governista:  Prioridade de Chávez é saúde e não política

Vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro (E), sorri durante encontro com presidente da Bolívia, Evo Morales, em Caracas (19/02)
AP
Vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro (E), sorri durante encontro com presidente da Bolívia, Evo Morales, em Caracas (19/02)

Miniblog: De volta à Venezuela, Chávez alcança 4 milhões de seguidores no Twitter

Evo, que esteve em Caracas na terça-feira, disse que falou com a família e o médico de Chávez e descreveu o retorno surpreendente do líder à Venezuela na segunda-feira - mais de dois meses depois de passar por uma cirurgia em Cuba - como um "grande alívio".

"Meu entendimento é de que eles estão muito animados", disse Evo em coletiva na ONU, onde participou do lançamento global do Ano Internacional da Quinoa. "Mas às vezes doenças são difíceis de combater."

Festa na Venezuela: Partidários de Chávez celebram seu retorno em frente a hospital

"Ele passou pelos momentos mais difíceis de sua vida", disse. "Há dias que o estado de sua saúde é muito difícil, de acordo com as informações de seus ministros. Mas agora ele voltou a Caracas e isso é um grande alívio."

Chávez, que governa a Venezuela há 14 anos, não fala em público desde 11 de dezembro, quando foi operado em Cuba. Ele foi reeleito para um mandato de seis anos em outubro, mas estava muito doente para voltar de Cuba e tomar posse em 10 de janeiro, ato foi prorrogado indeterminadamente .

Janeiro: Dezenas de milhares marcam posse simbólica de Chávez nas ruas de Caracas

Chávez luta contra um câncer na região pélvica descoberto em junho de 2011 por médicos cubanos e, desde então, passou por quatro cirurgias relacionadas à doença na ilha comunista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.