Correa diz ter formado maioria absoluta no Congresso do Equador

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Controle absoluto da Assembleia Nacional abriria caminho para aprovação de uma polêmica lei de comunicações e uma reforma agrária; resultado oficial será divulgado na sexta-feira

Reuters

AP
Presidente do Equador, Rafael Correa, é visto durante encontro com imprensa no palácio de governo em Quito, Equador (20/02)

O presidente do Equador, Rafael Correa, afirmou na noite de quarta-feira que seu grupo político conseguiu na eleição de domingo formar maioria absoluta na Assembleia Nacional (Congresso), o que facilitaria a adoção de reformas socialistas no pequeno país petroleiro.

O próprio Correa, um economista de 49 anos, foi reeleito no mesmo dia para mais quatro anos de mandato, com 57% dos votos.

Dia 17: Rafael Correa é reeleito presidente do Equador

"Obtivemos representantes para a Assembleia Nacional em 23 das 24 províncias do país e, onde não obtivemos, ganhou um aliado", disse o presidente a jornalistas estrangeiros. O Conselho Nacional Eleitoral deve proclamar na sexta-feira o resultado da eleição legislativa.

Correa prometeu "aprofundar a revolução cidadã e construir de maneira irreversível a pátria nova".

Análise: Reeleição no Equador pode 'favorecer Brasil e Mercosul', dizem especialistas

O controle absoluto da Assembleia abre caminho para que Correa aprove uma polêmica lei de comunicações e uma reforma agrária, iniciativas arquivadas nos últimos anos por falta de votos suficientes.

A lei de comunicação, prioridade para Correa, prevê a criação de um conselho de regulamentação de conteúdos e de punições a meios de comunicação. Outros projetos importantes são uma lei para a água e outra para as terras, regulamentando o uso desses recursos em benefício das comunidades.

O carismático líder poderá também aprovar emendas na Constituição de 2008 para acabar com supostas "inconsistências". O presidente, no entanto, descartou a incorporação de um artigo que derrube o limite ao número de mandatos presidenciais consecutivos. No Equador, qualquer reforma constitucional precisa ser submetida a referendo.

A oposição, que acusa Correa de governar de forma autoritária, disse que o presidente terá o controle de todos os poderes estatais, já que o Judiciário, segundo seus adversários, também está subordinado ao Executivo.

Determinação: Correa proíbe ministros de darem entrevistas à imprensa 'indecente'

Correa, porém, responde a essas afirmações com ironia. "Claro que será um rolo compressor legislativo em função dos interesses do povo equatoriano, claro que ergueremos a mão para continuar dando educação gratuita, saúde e dignidade."

Correa já obteve sete vitórias consecutivas nas urnas desde novembro de 2006, quando foi eleito presidente pela primeira vez graças ao apoio dos setores pobres que se beneficiam dos seus milionários programas sociais.

O presidente atenuou a necessidade de uma liderança regional diante da eventual ausência definitiva do líder venezuelano, Hugo Chávez, que se recupera de um câncer. Mas garantiu que estará "onde a pátria pequena (Equador) e a pátria grande (América Latina)" precisarem.

"Buscamos servir, e se eu puder servir como chofer de Hugo, lá estarei, o importante é tirar nossos povos da miséria e do atraso", acrescentou. Ele reiterou estar aberto a investimentos estrangeiros desde que estes respeitem as condições impostas pelo governo e beneficiem o povo equatoriano.

A ideia, concluiu, é "continuar construindo essa integração latino-americana, porque juntos poderemos impor condições a esse capital transnacional. Separados, esse capital será quem nos imporá condições".

Leia tudo sobre: equadorrafael correacorrea

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas