De olho em eleição, Berlusconi envia pelo correio promessa de restituir impostos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Adversários políticos ficaram irritados com atitude de ex-premiê que prometeu devolver aos cidadãos dinheiro do impopular imposto imobiliário criado por Mario Monti no ano passado

O ex-premiê da Itália Silvio Berlusconi irritou seus adversários políticos ao enviar cartas a milhões de italianos prometendo a restituição dos impostos pagos em 2012, em uma última cartada antes da eleição do próximo fim de semana.

Os envelopes tinham aparência de comunicado oficial, e traziam os seguintes dizeres: "Aviso importante: restituição do IMU 2012", em uma referência ao impopular imposto imobiliário criado pelo governo tecnocrata do atual primeiro-ministro Mario Monti.

Pesquisa: Quase um terço dos italianos estão indecisos sobre eleição

Reuters
Berlusconi durante coletiva de imprensa na região de Milão (12/2012)


Após renúncia: Uma foto com o papa vale quantos votos na eleição da Itália?

"A restituição será disponibilizada por meio de uma transferência para a sua conta bancária, ou pessoalmente a você no balcão da agência dos correios", diz a carta.

Pier Luigi Bersani, líder da coalizão centro-esquerdista que lidera as últimas pesquisas, classificou o envio das cartas como um "golpe". "Esse é um jeito de fazer campanha que simplesmente não posso aceitar. É hora de sermos sérios", disse.

O ex-promotor Antonio Ingroia, que comanda um pequeno grupo de centro-esqueda, foi ainda mais incisivo. "Com a carta enviada aos italianos prometendo dinheiro em troca de votos, Berlusconi cometeu um crime, possivelmente dois", escreveu em seu site, defendendo a abertura de um processo contra o político de centro-direita que deixou o cargo de premiê em 2011, no auge da crise financeira e busca agora voltar à chefia do governo.

Itália: Corte rejeita suspender julgamento de Berlusconi sobre escândalo sexual

Berlusconi cresceu nas pesquisas a partir do começo do ano, e desde o início de fevereiro vem prometendo insistentemente em restituir o imposto pago. Ele já havia adotado uma estratégia semelhante em 2008, com sucesso.

O IMU é uma das mais impopulares medidas adotadas por Monti para equilibrar as contas públicas italianas. Mas, segundo pesquisa do instituto Demopolis no começo de fevereiro, 51% dos italianos duvidam que Berlusconi irá mesmo restituir a quantia paga. Só 15% acreditam nisso.

Outubro: Em tribunal, Berlusconi nega sexo com menor e 'bunga-bunga' em mansão

Fetiche: Dominicana diz que se fantasiou de Obama em festas de Berlusconi

Pesquisa divulgada nesta terça mostrou que cerca de um terço dos eleitores ainda não decidiram em quem votar ou estão considerando em se abster. A pesquisa do jornal Corriere della Sera mostrou que a proporção de italianos indecisos ou tentados a abster-se caiu dos 51,5% em dezembro, mas permanece em significativos 27,7%, menos de uma semana antes da votação de domingo e segunda-feira .

As últimas pesquisas de intenção de voto divulgadas em 8 de fevereiro, antes do período de proibição judicial, indicaram que o Partido Democrata, de centro-esquerda, alcançaria maioria na câmara inferior, mas teria de formar uma coalizão com o grupo centrista do atual primeiro-ministro, Mario Monti.

A aliança de centro-direita do ex-premiê Silvio Berlusconi estava cerca de seis pontos percentuais atrás dos líderes. Mas devido à grande proporção de eleitores indecisos o resultado ainda é imprevisível, e os últimos dias de campanha são cruciais.

Com Reuters

Leia tudo sobre: berlusconieleição na itáliaitália

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas