Sete cidadãos franceses, incluindo quatro crianças, foram levadas; autoridades acreditam que seita extremista Boko Haram está por trás do crime

Uma família francesa, incluindo quatro crianças, foi sequestrada nesta terça-feira (19) no norte de Camarões e autoridades sugerem que a seita extremista islâmica Boko Haram está por trás do crime.

Janeiro: França defende resposta argelina ao sequestro em refinaria de gás

Leia mais:  Grupo ligado à Al-Qaeda faz estrangeiros reféns em usina de gás na Argélia

Os detalhes do sequestro dos sete cidadãos franceses não foram divulgados. Entretanto, o presindete François Hollande, falando durante uma visita a Grécia, afirmou que a França está engajada em uma campanha militar no Mali para caçar jihadistas que tomaram controle do norte do país. Terroristas, segundo ele, "não estão somente no Mali".

Mais sobre o caso: Argélia lança operação para resgatar reféns de militantes

Leia também: Crise de reféns deixa dezenas de estrangeiros desaparecidos na Argélia

Saiba mais: Argélia confirma morte de 23 reféns e 32 terroristas em refinaria de gá s

Hollande alertou os cidadãos franceses que estão na região que evitem se colocar em situações de risco. Um total de 15 franceses estão em cativeiro no oeste da África - um na Nigéria e sete no norte de Mali.

Uma autoridade francesa próxima a embaixada de Camarões disse que acredita-se que a família foi levada do norte de Camarões para a Nigéria, onde na segunda-feira um grupo extremista pouco conhecido chamado Ansaru reivindicou responsabilidade pela captura de sete estrangeiros.

Análise: Por que a Argélia descartou ajuda externa em crise de reféns?

Boko Haram - que significa "a educação do ocidente é um sacrilégio" - lançou uma campanha de guerrilha, bombardeios e tiros no norte predominantemente muçulmano da Nigéria. O grupo é responsável por ao menos 792 mortes somente no ano passado. É conhecido por ter ligações com a Al-Qaeda no Magreb islâmico.

"Se tudo se confirmar, significa que a luta contra grupos terroristas é uma necessidade", disse o chanceler francês Laurent Fabius em Paris. "Há uma batalha a ser comandada pela comunidade internacional contra grupos terroristas e narco-terroristas."

Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.