Inspetor-chefe das Nações Unidas afirmou que agora 'é preciso tempo para refletir sobre o caminho a seguir'; país é suspeito de desenvolver armas atômicas

Inspetores da ONU (Organização das Nações Unidas) não conseguiram chegar a um acordo com o Irã nesta quinta-feira sobre o acesso a instalações nucleares e saíram sem uma nova data para novas conversações. No último domingo, aniversário da revolução islâmioca, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse que Teerã não negociará seu controverso programa nuclea r sob pressão.

Leia mais: Irã rejeita pressão dos EUA em aniversário da revolução

Desafio: Irã planeja acelerar enriquecimento de urânio em Natanz

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), da ONU, e o Irã "não puderam finalizar o documento" definindo os termos para uma investigação do órgão sobre possíveis dimensões militares do programa nuclear do Irã , disse o inspetor-chefe da ONU, Herman Nackaerts, no aeroporto de Viena depois de voltar do Irã.

Inspetor-chefe da ONU (c) voltou de Teerã sem perspectivas de um acordo com o Irã sobre o programa nuclear
AP
Inspetor-chefe da ONU (c) voltou de Teerã sem perspectivas de um acordo com o Irã sobre o programa nuclear

Ele disse que não havia nova data definida para conversas que não mostraram nenhum progresso em mais de um ano, acrescentando: "Tempo é necessário para refletir sobre o caminho a seguir".

Estados Unidos, Rússia, China, França, Grã-Bretanha e Alemanha devem se reunir com o Irã para conversas separadas no Cazaquistão, em 26 de fevereiro, para lidar com uma disputa de uma década que já produziu quatro rodadas de sanções da ONU contra o Irã.

Mas a República Islâmica, que nega qualquer dimensão militar de seu trabalho e está pedindo reconhecimento de que tem o direito de produzir combustível nuclear para fins pacíficos, está caminhando para uma eleição presidencial em junho.

Leia também: Líder supremo do Irã rejeita negociações diretas com EUA

Vice: Joe Biden levanta a possibilidade de negociações diretas entre EUA e Irã

Esse fato por si só torna difícil para qualquer autoridade fazer concessões às potências estrangeiras, especialmente uma que atenda aos inimigos do Irã, os Estados Unidos e Israel, que é amplamente considerado como a única potência nuclear do Oriente Médio.

"Em nome da nação iraniana, eu digo que quem pensa que a nação iraniana irá se render à pressão está cometendo um grande erro e levará o seu desejo para o túmulo", disse o presidente Mahmoud Ahmadinejad nesta quinta-feira, de acordo com a televisão estatal.

Porém, enquanto as negociações não vão a lugar algum, o tempo da diplomacia está acabando.

O Irã está expandindo um estoque de urânio enriquecido a alto grau de 20%, cada vez mais perto dos níveis em que uma massa crítica de material em grau de armas ficaria a apenas um pequeno passo de distância -- algo que Israel diz que seria uma "linha vermelha" para a ação.

Washington também advertiu, em termos menos diretos, que vai fazer o que for necessário para impedir que o Irã obtenha a bomba. No ano passado, os EUA estabeleceram um prazo de março para que o Irã começasse a cooperar com a investigação da AIEA, alertando Teerã que, caso contrário, poderia recorrer ao Conselho de Segurança da ONU.

Teerã diz que as informações de inteligência que apontam para a pesquisa de armas nucleares no Irã são forjadas e sem base.

Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.