Um brasileiro é morto e cinco são feridos em presídio boliviano

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Itamaraty informou que está acompanhando o caso; grupo de seis brasileiros entrou em conflito com mais de cem presos bolivianos com facas, pedaços de pau e barras de ferro

Agência Brasil

Um brasileiro foi morto e cinco ficaram feridos durante uma briga entre presos brasileiros e bolivianos no interior de um presídio da cidade de Cobija, no Estado de Pando. O Ministério das Relações Exteriores confirmou que o consulado-geral do Brasil em Cobija já está acompanhando o caso. Diplomatas estão em contato com os brasileiros envolvidos no assunto.

Leia também: Honduras volta atrás e diz que brasileiro sobreviveu a incêndio

Presos sem julgamento: Relatório mostra precariedade de prisão em Honduras

A confusão ocorreu nesta segunda-feira (11), na Penitenciária Modelo Villa Busch. Segundo o relato de parentes das vítimas brasileiras à imprensa acriana, mais de cem presos bolivianos e seis brasileiros se enfrentaram armados com facas improvisadas, pedaços de pau e barras de ferro.

Durante a briga, o brasileiro Alexando Becerra Montenegro, 50 anos, foi morto. Os cinco feridos foram levados ao Hospital Roberto Galindo, em Cobija. Segundo o médico Adolfo Mitre, eles estavam bastante machucados, alguns com múltiplas fraturas, mas nenhum dos cinco corria risco de morte. Dois deles receberam alta ainda na segunda-feira e voltaram a Villa Busch. Os outros três permanecem internados na ala de cirurgia, sob escolta policial.

Saiba mais: Bolívia condena ex-ministros e militares à prisão por matança em 2003

Conforme noticiou nesta quarta-feira (13) a agência pública de notícias da Bolívia, a ABI, o diretor do Regime Penitenciário, Ramiro Llanos, anunciou que, após a briga, as autoridades prisionais estudam transferir os presos brasileiros para outras unidades.

Ainda de acordo com a ABI, Llanos garantiu que a situação em Villa Busch está sob controle, mas descartou a hipótese de que uma tentativa de fuga tenha motivado a confusão, já que, segundo o diretor, considerando-se as precárias condições dos estabelecimentos, os presos, “se quisessem ir, iriam”.

Leia tudo sobre: brasilbolíviabrasileiros no exteriorprisãobrigamorte

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas