Estrutura desaba em Chernobyl, mas não há risco de vazamento

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo Ministério de Emergências, parte da parede e do telhado de uma sala de turbina cedeu por causa do peso da neve; ninguém ficou ferido

Reuters

Parte de uma estrutura próxima ao reator danificado na usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, desabou, informaram autoridades nesta quarta-feira, acrescentando que não houve feridos ou qualquer aumento nos níveis de radiação.

Em 2011: Chernobyl tem cenário de abandono, 25 anos depois

TV iG: Ucranianos constroem cúpula para proteger reator nuclear em Chernobyl

Reuters
Parte da estrutura desabou perto da unidade número 4 da usina nuclear de Chernobyl


O Ministério de Emergências disse que o colapso de terça-feira não era do sarcófago que cobre o reator, mas de parte da parede e do telhado de uma sala de turbina que cedeu com o peso da neve. "Não houve violações de segurança", afirmou o ministério em um comunicado.

NYT: Após Fukushima, amadorismo marca limpeza nuclear em vila no Japão

Leia mais: Entenda como funciona uma usina nuclear

A administração da usina disse em um outro comunicado separado que "não houve nenhuma mudança nos níveis de radiação na área industrial da usina nuclear de Chernobyl e na zona de exclusão (30 km). Ninguém ficou ferido.".

A usina - que parou seus reatores em 2000 - foi cenário do pior desastre nuclear da história, quando um de seus reatores em abril de 1986 explodiu durante um teste de segurança, enviando uma nuvem de partículas altamente radioativas. Grandes áreas da Ucrânia e da vizinha Belarus foram contaminadas.

A Ucrânia agora está construindo uma nova estrutura em torno do sarcófago antigo para a prevenção de vazamentos do abrigo construído às pressas e em envelhecimento.

As empresas de construção francesas Vinci e Bouygues, que estão construindo o abrigo de confinamento de 30 mil toneladas sob uma joint venture denominada Novarka, disseram que haviam retirado os cerca de 80 trabalhadores do canteiro de obras como uma precaução.

Leia tudo sobre: ucrâniachernobylusina nuclear

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas