Instituição diz que pode "haver surpresa" em eleição de novo papa e que preparativos da Jornada Mundial da Juventude devem continuar normalmente após renúncia de Bento 16

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) espera que a primeira viagem internacional do novo papa seja ao Rio de Janeiro, durante a Jornada Mundial da Juventude, disse o Secretário Geral da instituição, Dom Leonardo Ulrich Steiner. Nesta segunda-feira (11), o papa Bento 16 anunciou que renunciará ao cargo em 28 de fevereiro. 

Mudanças na Igreja Católica: Papa Bento 16 anuncia renúncia ao cargo

Papa Bento 16 anuncia sua decisão de renunciar ao cargo em encontro de cardeais no Vaticano
AP
Papa Bento 16 anuncia sua decisão de renunciar ao cargo em encontro de cardeais no Vaticano

Em 2010: Em livro, Bento 16 disse que renunciaria se ficasse incapacitado

Segundo Dom Leonardo, os preparativos para o evento devem continuar normalmente apesar do anúncio de Bento 16 e será "uma honra e uma alegria receber o novo papa em sua primeira visita ao exterior". "Vamos rezar para ter a presença do novo santo padre na Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro", disse o religioso.

A Jornada Mundial da Juventude, organizada pela primeira vez em 1985 pelo papa João Paulo 2º, deve reunir milhões católicos, sobretudo jovens, de 23 a 28 de julho no Rio de Janeiro.

Galeria de fotos: Relembre a trajetória de Bento 16

Sobre a renúncia de Bento 16 , anunciada nesta segunda-feira, Dom Leonardo disse que, apesar de receber a notícia com surpresa, uma recente visita do papa ao túmulo de Celestino 5º, o último papa a renunciar por vontade própria, em 1294, já havia levantado dúvidas.

"Quando ficamos sabendo da visita, ficamos nos perguntando se havia uma surpresa. Sobre a renúncia em si, acho que o santo padre agiu de maneira consciente. O motivo, de não ter forças, é válido", disse Dom Leonardo.

Em coletiva de imprensa realizada nesta tarde em Aparecida, no interior de São Paulo, o presidente da CNBB, Dom Raymundo Damasceno, afirmou que uma surpresa na escolha do novo líder da Igreja não está descartada.

Segundo ele, a linha conservadora da instituição será mantida. Cinco cardeais brasileiros são elegíveis ao papado , mas Dom Raymundo não arriscou palpites. "Se fosse um brasileiro, seria realmente totalmente novo na história do pontificado", disse. "Pode haver grandes surpresas."

Para ele, não há critérios explícitos para a escolha de um novo líder da Igreja Católica. "Temos de escolher o que é melhor para a Igreja e para o mundo", avalia o presidente da CNBB. "São muitos os desafios nos dias de hoje. Estamos passando por uma mudança de época e não época de mudanças. Uma mudança muito mais profunda."

Georg Ratzinger: 'Idade pesa e Bento 16 quer descansar', diz irmão do papa

Bento 16, 85 anos, se tornou papa em 2005, após a morte de João Paulo 2º. Esse é o primeiro caso de renúncia no papado em quase 600 anos. O último papa a renunciar foi Gregório 12, que se retirou do cargo a contragosto em 1415 em um acordo para colocar fim ao Grande Cisma do Ocidente. O último pontífice a renunciar por vontade própria foi Celestino 5, em 1294, após apenas cinco meses de pontificado.

O Vaticano destacou que nenhuma condição médica específica influenciou na decisão de Bento 16, mas nos últimos anos, a mobilidade do papa ficou bastante reduzida. O número de viagens diminuiu e para chegar ao altar da Basílica de São Pedro, no Vaticano, ele utiliza uma plataforma móvel. O irmão do papa, Georg Ratzinger, informou que Bento 16 pensava na renúncia havia meses e que a idade avançada estava pesando sobre ele .

Relembre a trajetória do papa Bento 16:

Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.