Ministros pedem demissão em protesto contra o governo islâmico da Tunísia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Decisão do partido agrava a crise política no país árabe, atingido por revolta há dois anos, e acontece uma semana após o assassinado do líder da oposição

Reuters

O patido secular do presidente da Tunísia, Moncef Marzouki, retirou seus três ministros do governo islâmico neste domingo, dizendo que suas exigências por mudanças no gabinete não foram atendidas.

Leia mais: Partido de premiê da Tunísia rejeita dissolver gabinete 

Entenda: Após morte de opositor, premiê anuncia formação de governo tecnocrata

A decisão do Partido Congresso para a República, de Marzouki, desfere um novo golpe no governo do primeiro-ministro Hamadi Jebali, já debilitado após o assassinato do líder secular da oposição, Chokri Belaid, na semana passada.

Reuters
Tunisianos carregam o caixão com o corpo do líder da oposição Chokri Belaid

"Faz uma semana que estamos dizendo que, se os ministérios das Relações Exteriores e da Justiça não fossem modificados, deixaríamos o governo", disse Samir Ben Amor, uma autoridade do partido, à Reuters.

"Esta decisão não tem nada a ver com a decisão do primeiro-ministro de formar um governo de tecnocratas", afirmou Ben Amor, referindo-se à intenção manifesta de Jebali de nomear um gabinete não-partidário para cuidar de temas do dia-a-dia até que eleições sejam realizadas.

Chokri Belaid: Assassinato de dirigente da oposição na Tunísia provoca protestos

Dois anos depois: Tunísia vive clima derrotista após ter inaugurado Primavera Árabe

A morte de Belaid na quarta-feira - o primeiro assassinato político na Túnisia em décadas - lançou o governo e o país no caos, ampliando as divisões entre o dominante partido islâmico Ennahda e seus adversários de inclinação secular.

Políticos veteranos do Ennahda, assim como de seus dois parceiros de coalizão não-islamistas, criticaram Jebali por propor um governo tecnocrata, dizendo não terem sido consultados.

Leia tudo sobre: tunísiaministrosprimavera árabemundo árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas