Milhões de hindus se banham no rio Ganges durante festival religioso

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Domingo é o principal dia de banhos durante o Kumbh Mela na Índia; segundo o hinduísmo, mergulhar na confluência de três rios indianos promove a limpeza dos pecados

Liderados por chefes de mosteiros que chegavam em coches, milhões de devotos do hinduísmo mergulharam nas águas geladas do sagrado rio Ganges, na Índia, em um ritual para limpar seus pecados. O domingo foi o terceiro de seis dias de banhos durante o Kumbh Mela, ou Festival Pitcher, que tem duração de 55 dias e é um dos maiores encontros religiosos do mundo.

Leia mais: Festival com 'maior concentração humana da Terra' começa na Índia

AP
Hindus cobertos de cinzas andam em procissão antes de se banhar no Sangam, confluência de três rios, em Allahabad, Índia


Saiba também: Raízes na Caxemira atraem hindus de volta para casa

Até o fim do dia, é esperado que cerca de 30 milhões de devotos mergulhem no Sangam, confluência de três rios - o Ganges, o Yamuna e o Saraswati, no extremo de Allahabad, no norte da Índia.

Os dias em que os banhos devem ser realizados são decididos através do alinhamento das estrelas, e devotos do hinduísmo acreditam que um mergulho no rio sagrado em um desses dias os liberta do pecado e do ciclo da morte e renascimento.

Os primeiros a mergulhar neste domingo foram os chefes dos diferentes mosteiros hindus que foram às áreas de banho, chamada de ghats, acompanhados de bandas musicais. Alguns chegaram em coches prateados e outros foram carregados por seus seguidores.

Fim de disputa: Local sagrado disputado por hindus e muçulmanos será dividido

Depois, foi a vez dos Naga sadhus, ascetas que traziam o corpo pintado de cinzas e vestiam somente guirlandas de calêndulas.

Através dos anos, a modernidade começou a influenciar a tradição centenária do Kumbh Mela, com muitos dos ascetas e chefes religiosos levando à cerimônia laptops caros e equipamentos de fotogragia.

Centenas de sadhus que estavam nas áreas de banho carregavam pequenas câmeras de vídeo e smartphones. "Estamos usando tecnologia moderna para nos mantermos atualizados. Isso também ajuda a propagar melhor nossa religião", disse Maharaj Nirupanad, um asceta de 40 anos. "Nem todo mundo pode vir ao Kumbh. Podemos mandar essas fotos para que eles possam sentir a grandiosidade dessa ocasião."

De acordo com a mitologia hindu, o Kumbh Mela celebra a vitória dos deuses sobre os demônios em uma batalha furiosa pelo néctar que os daria imortalidade. Enquanto os deuses fugiam com um jarro do néctar pelo céu, derramaram em quatro cidades indianas - Allahabad, Nasik, Ujjain e Haridwar.

O Kumbh Mela acontece quatro vezes a cada 12 anos nessas cidades. Os hindus acreditam que os pecados acumulados nas vidas passadas e na presente faz com que eles precisem seguir com o ciclo de morte e renascimento até que estejam limpos.

Hindu mergulha no Sangam, confluência dos rios Ganges, Yamuna e Saraswati, durante festival em Allahabad. Foto: APHindus correm em direção ao Sangam para tomar o banho sagrado em Allahabad, Índia. Foto: APDevotos do hinduísmo atravéssam pontes para dar o mergulho sagrado no Sangam, em Allahabad, Índia. Foto: APUm sadhu 'Naga' se banha no Sangam, confluência do Ganges, Yamuna e Saraswati durante festival em Allahabad. Foto: APHindu retorna após ter se banhado no Sangam, confluência do Ganges, Yamuna e Saraswati, durante festival em Allahabad. Foto: AP

Com AP

Leia tudo sobre: índiario gangeshindusangamkumbh mela

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas