Annette Schavan nega ter cometido infração para concluir seu doutorado na Universidade de Dusseldorf; Angela Merkel diz ter recebido pedido de renúncia com 'coração pesado'

A minsitra alemã da Educação Annette Schavan renunciou neste sábado (9) ao seu cargo após a Universidade de Dusseldorf tê-la acusado de plágio em seu doutorado . A Faculdade de Filosofia fez uma votação em colegiado na terça-feira e decidiu que Annette teria que devolver seu título.

Annette, uma aliada próxima à chanceler Angela Merkel, insistiu que apelará da decisão e brigará por seu doutorado.

Leia mais: Ministra alemã de Educação terá de devolver diploma por acusação de plágio

Chanceler alemã, Angela Merkel (E), conversa com a ministra da Educação Annette Schavan no Parlamento em Berlim (13/12/2012)
AP
Chanceler alemã, Angela Merkel (E), conversa com a ministra da Educação Annette Schavan no Parlamento em Berlim (13/12/2012)

2011: Acusado de plágio, ministro alemão da Defesa renuncia

Não é a primeira vez que um ministro do governo da chanceler Angela Merkel é acusado de plágio. Em 2011, o então ministro da Defesa Karl-Theodor zu Guttenberg renunciou ao cargo após a Universidade de Bayreuth concluir que ele havia cometido plágio em partes de sua tese de doutorado.

Annete recebeu seu doutorado 33 anos atrás, mas a Universidade descobriu somente agora que ela havia "sistematicamente e intencionalmente" copiado partes de sua tese intitulada "Pessoa e Consciência".

Quando o escândalo de plágio envolvendo Guttenberg veio à tona, ela foi uma de suas maiores críticas. Analistas ouvidos pela rede britânica BBC acreditam que a renúncia de Annette pode se tornar um constrangimento para Merkel.

Ela, que enfrenta eleições em setembro deste ano, disse que aceitou o pedido de renúncia com "o coração pesado".

Com BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.